Publicado em

Dona de um currículo invejável a médica sanitarista Zilda Arns Neumann foi três vezes indicada ao Nobel da Paz e é dona de ações humanitárias reverenciadas em vários locais do mundo. Ela, que é só mais uma das mulheres que ajudaram a construir a história do Brasil, é um exemplo das grandiosidades que são capazes mulheres que possuem apenas uma chance de se mostrar. O problema, no entanto, é que nem todas têm essa oportunidade. Um estudo recente do LinkedIn chamado Gender Insights Report apontou que os perfis dentro da rede social que são de mulheres têm 13% menos chances de serem analisados individualmente.

O pulo do gato

Segundo o estudo, quando se candidatam à uma vaga as chances delas serem contratadas é 16% maior que um homem, o que parece uma boa coisa, mas não é. De acordo com o levantamento, as mulheres se candidatam a 20% menos cargos que homens – indicando que elas só procuram empregos para os quais se sentem realmente qualificadas, enquanto homens tentam a sorte mesmo sem os pré-requisitos necessários. “O número pode indicar que as mulheres se sentem desencorajadas de mostrar interesse em oportunidades mais arriscadas”, diz a análise.

Nada de flores!

Hoje é comemorado o Dia Internacional da Mulher, e deveria ser só mais um dia, mas não é. Nesta data são dadas flores à mães, irmãs, companheiras de trabalho e filhas. Mas é pouco. Muito pouco. As flores, claro, são bem vindas em qualquer dia do ano, mas hoje, só por hoje, que tal que o presente seja um elogio? E não me venha com elogios estéticos. Falemos da capacidade delas de liderar, de gerir, de criar, de empreender. Ainda que as mulheres sejam grandes onde quer que estejam, ou onde pretendem chegar, vou citar alguns exemplos, contemporâneos, do poder feminino.

E por mais que você tente negar...

Nada de Chiquinha Gonzaga, Carmen Miranda, Dandara, Rachel de Queiróz, Pagu e Maria Quitéria. As mulheres que eu vou citar também idealizaram um futuro melhor, e foram atrás dele. A diferença é que elas ainda estão na ativa, e suas histórias podem inspirar. Aos 28 anos a engenheira química e supervisora de P&D da Saint-Gobain no Brasil, Cecília Bergamo Biancardi, atua em uma área predominantemente masculina mas conseguiu quatro patentes mundiais de produtos e soluções criadas por ela e sua equipe, sendo uma registrada com o seu nome e de uma colega!

...Me dê motivos!

Você sabia que boa parte do avanço tecnológico no mundo se deu pelas mãos de mulheres? O primeiro algoritmo na história é de Augusta Ada King, a Condessa de Lovelace, que em 1843, usava padrões matemáticos para fazer traduções. Karen Sparck Jones criou o do conceito de “inverso da frequência em documentos”, usado na localização do Google hoje. Mesmo com esses marcos, este é um dos mercados mais fechados para as mulheres. Segundo estudo da Serasa Experian em parceria com a ONU Mulheres, só 17% dos cargos na tecnologia são ocupados por mulheres.

PLANO DE VOO