Publicado em

SÃO PAULO



Criada para ser uma loja de departamento nos moldes do Mappin e da Mesbla - históricas no varejo brasileiro, mas que perderam espaço para os shoppings - a rede Havan surgiu inicialmente como atacadista de tecidos, em 1986, em Brusque (SC), mas hoje já conta com 63 unidades e receita anual na casa dos R$ 2 bilhões. Com planos de chegar à capital paulista, depois de expandir seus domínios pelo interior do estado, a empresa tem um mix que vai de brinquedos a cosméticos, e aposta na réplica da Estátua da Liberdade (símbolo de força dos norte-americanos) à frente dos estabelecimentos como seu ícone.



Este ano, a bandeira quer deixar de ser uma rede regional (concentrada mais ao sul do País), para crescer em todo o Brasil e, em entrevista ao DCI, o fundador do grupo, Luciano Hang, afirmou que a meta é chegar a 100 pontos de vendas, até 2015. "Serão novas megalojas em operação, em diferentes regiões do Brasil", disse. Neste ano, Hang estima mais de 10 unidades abertas ao público. "As lojas demandaram investimentos entre R$ 20 milhões e R$ 40 milhões, cada uma." Ele aponta ainda que o capital vem de recursos próprios e também de financiamentos bancários.



A virada nos negócios, quando a empresa deixou de ser atacadista para brigar pelo varejo, aconteceu na década de 1990, quando Hang percebeu a necessidade de mudar o foco. "A loja começou pequena, mas nos anos 90 vislumbramos um novo potencial com a abertura das fronteiras para produtos estrangeiros. Passamos a importar tecidos e artigos de baixo valor agregado", explicou. Nesse período, Hang comprou a participação do então sócio Vanderlei de Limas, fazendo da Havan uma empresa familiar.



Antes de virar empresário, Hang atuou na indústria têxtil como vendedor da tecidos da empresa centenária Carlos Renaux - que foi à falência. Anos depois, após a experiência no atacado de tecidos, ele diz ter percebido os novos rumos da economia brasileira com a desvalorização cambial e definiu a nova vocação para a Havan, no ramo de lojas de departamentos. Hoje, a bandeira comercializa 100 mil itens, entre produção nacional, importados e artigos marca própria. "Oferecemos aos consumidores itens distribuídos nos setores de moda, cama, mesa e banho, eletro e eletrônicos, bazar e utilidades, tapetes, ferramentas, camping, brinquedos e outros."



Mercado paulista



Este ano será estratégico para a marca, que definiu o mercado paulista como um dos maiores alvos e apostou em publicidade na Rede TV, utilizando a figura de Luciana Gimenez, apresentadora do programa Super Pop. Com a inserção, a Havan conquistou clientes, mas desagradou uma parcela dos consumidores, dizem analistas do mercado.



Afora isso, enfrentar desafios como a recusa de alguns moradores na instalação do ícone de sua rede - a Estátua da Liberdade -, em cidades como Bauru (SP) exigiram pulso firme do executivo. Os moradores da região ficaram incomodados com a estátua e chegaram a fazer um abaixo-assinado para tentar impedir a instalação da obra. Mesmo com as críticas, Hang inaugurou a loja em junho do ano passado.



Já no Mato Grosso, a rede encontrou dificuldades ao pedido de incentivo fiscal, mas tentou em Goias e a solicitação surtiu efeito. A Havan conseguiu benefícios para abrir seis lojas e um centro de distribuição, com aportes médios de R$ 175 milhões. Também em 2013, a loja de Sorocaba (SP), com inauguração prevista para o final de dezembro, enfrentou problemas. No dia da inauguração, a unidade foi interditada por falta de vistoria do Corpo de Bombeiros, segundo informou a prefeitura na época. A assessoria da rede informou ao DCI que a loja continua fechada e não há previsão da data de abertura, mas que a Havan acredita que será em breve. Mesmo com os altos e baixos de qualquer empresa, Hang demonstra tino para os negócios. Além da Havan, hoje ele é dono de outros empreendimentos no Sul do País, em segmentos de geração de energia elétrica, postos de combustível, factoring, hotelaria e outros. Questionado sobre o segredo do seu sucesso, Hang afirma: "estar sempre próximo do cliente e oferecer qualidade."