Publicado em

São Paulo - Apesar não representar mais uma explosão de consumo, a classe média ainda se mostra bastante relevante para o varejo brasileiro. Segundo pesquisa da Kantar Worldpanel, na análise de itens básicos, o volume de vendas para Classe C saltou 3,1%, enquanto o consumo total subiu 1,5% .

De acordo com o estudo, apesar da crise ter tornado os consumidores mais conscientes, a classe emergida a partir de 2003 ainda é fundamental. "Mesmo apostando na racionalização e na seletividade na hora de eleger os produtos que vão entrar no carrinho, essa parcela da população ainda se destaca", comentava o estudo da Kantar Worldpanel. Para o levantamento a empresa levou em conta 96 categorias e calculou o volume de vendas nos últimos doze meses terminados em junho deste ano.

A análise de volume das cestas também revela a força deste estrato social em comparação ao resto da população. Destaque para limpeza com 10,1% de crescimento e uma alta 8,3 vezes maior que as demais classes. O segmento de higiene e beleza cresceu 5,5%, o que representa um salto de 4,5 vezes, enquanto o de bebidas subiu 3,9% (ou 2,3 vezes maior). Alimentos, que no total da população viu queda de 0,4%, atingiram 1,3% de alta na classe C. "O grande avanço de compradores das categorias na Classe C, assim como para o total da população, ocorreu de 2009 a 2014. A partir de 2015, o crescimento desacelerou, e algumas categorias perderam penetração", diz a Kantar.

O estudo revelou ainda que entre as categorias que mais se destacaram no consumo está o azeite, que hoje está presente em 48% dos lares, ante aos 28% registrado em 2009. O maior salto foi visto no uso de detergente líquido para roupa, que em 2009 estava em 28% dos lares e hoje soma 48%.