Papa Francisco nomeia o primeiro cardeal negro dos EUA

O Papa Francisco nomeará 13 novos cardeais, entre eles Wilton Gregory, o primeiro cardeal negro dos EUA.

O Papa Francisco disse que nomeará 13 novos cardeais, entre eles o primeiro cardeal negro dos EUA.

O Papa anunciou os 13 cardeais de oito nações em um discurso surpresa de sua janela com vista para a Praça de São Pedro em Roma, no domingo (25). As nações são: Itália, Malta, Ruanda, Estados Unidos, Filipinas, Chile, Brunei e México

Além disso,  Wilton Daniel Gregory, o progressista arcebispo de Washington DC, de 72 anos, será um deles.

Os cardeais são os clérigos mais antigos da Igreja Católica Romana abaixo do pontífice.  Seu papel inclui eleger o papa – o chefe da Igreja – que tem sua escolha feita entre eles em uma reunião secreta conhecida como conclave.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A princípio, eles serão empossados ​​em cerimônia no Vaticano em 28 de novembro.

Contudo, como quatro dos novos membros têm mais de 80 anos, eles não têm permissão para votar de acordo com as regras da Igreja.

Especialistas do Vaticano dizem que a nomeação de novos cardeais cimentará a influência do Papa Francisco sobre os clérigos que um dia elegerão seu sucessor.

De acordo com o National Catholic Reporter, supondo que os novos cardeais sejam nomeados, o Papa Francisco terá selecionado quase 60% dos prelados durante seu mandato.

 

primeiro cardeal negro dos EUA
Imagem: Reprodução / Getty Images

Quem é Wilton Gregory, o primeiro cardeal negro dos EUA

Sacerdote ordenado desde os 25 anos de idade, ele se tornou arcebispo de Washington em maio de 2019.  Além disso, Gregory substituiu o cardeal Donald Wuerl, que renunciou em meio a críticas por seu tratamento de casos de abuso.

Nos Estados Unidos, o arcebispo Gregory tem sido uma voz proeminente no esforço para erradicar o abuso dentro da Igreja. Como presidente da conferência dos bispos dos Estados Unidos, ele persuadiu os líderes da Igreja a adotar penas mais duras para os abusadores em 2002.

Bem como criticou o presidente Donald Trump por seu uso da retórica e visitas a locais religiosos.

O arcebispo repreendeu a visita do presidente Trump a um santuário de São João Paulo II em Washington, chamando-a de “desconcertante e repreensível”.

A visita ocorreu em junho, um dia depois de o presidente ordenar a dispersão de manifestantes pacíficos perto da Casa Branca.

O arcebispo Gregory disse que São João Paulo II “certamente não toleraria o uso de gás lacrimogêneo e outros meios de dissuasão para silenciá-los, dispersá-los ou intimidá-los para uma oportunidade fotográfica em frente a um lugar de culto e paz”.

Fonte BBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes