Publicado em

A partir de 2020, todos os alunos matriculados nos anos finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio na rede estadual terão mais tempo em sala de aula. Serão sete aulas diárias de 45 minutos cada. Atualmente, o modelo em vigor oferece seis aulas por dia de 50 minutos.

A mudança no horário de aulas faz parte do programa Inova Educação lançado ontem (06) pelo governador João Doria (PSDB) e pelo Secretário de Estado da Educação, Rossieli Soares. O objetivo do programa, segundo o governo, é conectar as escolas à realidade dos estudantes do século 21, com a implantação de aulas de tecnologia, evitando que abandonem os estudos antes da formação.

A partir do próximo ano, o programa vai abranger a média de dois milhões de alunos matriculados na rede estadual. Para elaborar o Inova Educação, o governo do Estado fez uma espécie de projeto piloto em 633 escolas da rede estadual desde 2012. Além disso, segundo o governo, está em consonância com a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) na medida em que reforça as 10 Competências Gerais do documento.

A ideia de criar o programa surgiu por meio de discussões e de análises de demandas da comunidade escolar, com diretores, professores e estudantes realizadas desde o início do ano e intensificadas no mês de abril.

“Essas mudanças são fruto de um processo de escuta de profissionais da educação e estudantes, e análise das boas práticas já em curso dentro da nossa rede”, explica o secretário Soares.

Segundo o Governo do Estado, ao manter o estudante por mais tempo na escola, o objetivo é propiciar experiências educativas que tenham mais sentido para os jovens do século 21. Ou seja, o intuito da iniciativa é melhorar a aprendizagem, reduzir o abandono escolar e fortalecer o vínculo entre alunos e professores.

Os estudantes terão sete aulas diárias de 45 minutos cada, ao invés de seis como é hoje. Todas as disciplinas regulares ficam mantidas e não haverá exclusão de nenhuma delas. De acordo com o governo estadual, os professores terão mais oportunidades para compor sua jornada de trabalho e ainda vão receber formação especializada para isso.

O modelo vai exigir um aumento da carga horária de 15 minutos por dia. Quando estiver em vigor, os estudantes do período matutino passam a sair da escola às 12h35 – não mais às 12h20. No período vespertino, a saída passará a ser às 18h35 – atualmente os estudantes saem às 18h20. No novo projeto os estudantes ganharão duas aulas por semana de uma atividade chamada “Projeto de Vida”, mais duas eletivas e uma de Tecnologia.

Opções

As opções eletivas serão oferecidas a partir do levantamento das necessidades dos estudantes e das possibilidades de oferta dos professores. Para apoiar o processo, a Secretaria da Educação oferecerá uma espécie de “cardápio” com sugestões de temas a partir do levantamento de experiências da rede. Os professores interessados em lecionar na nova proposta pedagógica poderão se inscrever em um processo seletivo conduzido pelos diretores de cada escola. A seleção dos temas das aulas será baseada em habilidades dos professores, que receberão formação específica. Os docentes da própria escola poderão compor até 40% de sua jornada com as novas disciplinas.