Publicado em

Tendência crescente no país, as policlínicas ou clínicas populares tem atraído um público cada dia maior e formado, em sua maioria, por pessoas que não conseguem atendimento por meio do SUS nem pagar plano de saúde.

Em Marília (SP), a franquia SOS Doutor inaugurou recentemente sua primeira unidade, no centro da cidade, com um investimento superior a R$ 1 milhão. A expansão da rede deve triplicar até o fim de 2019. Os pacientes têm a possibilidade de marcar consulta, de oftalmologia a ginecologia para a mesma semana ou até para o mesmo dia. De acordo com a empresa, o tempo médio de permanência do paciente na unidade é de 30 a 45 minutos até ser atendido por um especialista.

A rede investiu no sistema de agendamento online visando agilizar ainda mais o atendimento, com a agenda à disposição do paciente. Outro recurso é o aplicativo com as mesmas funcionalidades. E, diferente de um plano de saúde, o sistema não cobra mensalidades, o usuário paga somente pelo realmente usa.

Economistas convidam o usuário a fazer uma conta, colocando “na ponta do lápis” os valores pagos aos planos de saúde e a quantidade de vezes que é necessário ir ao médico por ano. A conta não ‘fecha’.

Na região de Ribeirão Preto e Franca, a gaúcha Doctor Med oferece mais de 4 mil tipos de exames laboratoriais e de imagem, além de 35 especialidades médicas. Presente em 14 estados brasileiros a rede - criada em 2013 no Rio Grande do Sul - realiza 40 mil atendimentos/mês nas suas 50 unidades de franquias e a meta é chegar a 100 unidades em cinco anos. Uma unidade custa a partir de R$ 400 mil em um modelo que comporta seis consultórios e uma média de 30 atendimentos por dia em cada um deles.

De acordo com o fundador da empresa, Geílson Silveira, o objetivo maior é dar oportunidade de consultas e exames para as pessoas que perderam o plano de saúde, dependem do SUS e também para os pacientes que mesmo com o benefício demoram até três meses para conseguir agendar.

“Entendemos que o perfil do nosso paciente tem mudado, não é mais apenas os que não têm plano de saúde, nossa demanda aumentou”, diz Silveira.“Além de consultas com preços mais em conta - a partir de R$ 80,00 -, e exames de sangue por R$ 5,00, ainda trazemos a opção de o paciente parcelar os valores no cartão de crédito", explica o empresário.