Publicado em

O risco de sofrer um crime violento caiu em 79 dos 139 municípios paulistas (57%) com população maior que 50 mil habitantes. É o que mostra o Índice de Exposição à Criminalidade Violenta (IECV), produzido pelo Instituto Sou da Paz, com base nos indicadores oficiais da Secretaria da Segurança Pública do Estado.

De acordo com a edição mais recente, referente ao ano de 2018, e divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo, o município mais violento no Estado é Itanhaém, na Baixada Santista.

A cidade onde o risco de sofrer um crime é considerado menor é Vinhedo, perto de Campinas, no interior. O que separa a cidade mais violenta da menos violenta do Estado são 25 homicídios, 732 roubos e 52 estupros.

A diminuição geral do índice no ano passado pode ser atribuída à continuidade na queda do patamar de homicídios e à redução da quantidade de roubos totais, incluindo roubos a pedestres, residências e comércios.

Contrasta com a queda, a alta nos registros de estupro, que no fim do ano chegou a obter quedas mensais, mas fechou 2018 com uma alta total.

A coordenadora de projetos do Instituto Sou da Paz, Ana Carolina Pekny, diz que um dos fatores que mais explica a discrepância entre as cidades paulistas é a taxa de homicídio observada nelas.

Segundo ela, cidades como Itanhaém e Lorena chegam a ter um índice por 100 mil habitantes quase quatro vezes maior do que a média do Estado.

“É uma incidência muito maior do que média. E, como vemos a queda nos números totais no Estado, nem sempre é percebida com a devida atenção a taxa nessas cidades”, diz.

Dos dez municípios mais expostos a crimes violentos em 2018, assim como em 2017, seis fazem parte da região de São José dos Campos: Caraguatatuba, Cruzeiro, Guaratinguetá, Jacareí, Lorena e Ubatuba.

Chama atenção também que cinco dos dez municípios em que a estatística mais cresceu em relação a 2017 estivessem entre aqueles com a menor exposição a crimes violentos: Jaú, Mococa, Jaguariúna, Indaiatuba e Santos.

Entre os destaques está Ibitinga apontado em 2017 como o município que apresentou a maior redução no IECV (-54%), assumiu o topo entre os municípios com maior aumento em 2018.