Publicado em

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) investirá R$ 1,5 bilhão para integrar o Polo Metal-Metalúrgico de Máquinas e Equipamentos no Estado de São Paulo. A estimativa é de que 400 empregos diretos e 1 mil indiretos sejam criados.

O anúncio foi feito ontem pelo governador João Doria (PSDB) e pela secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen. Sem dar detalhes, o governo estadual informou, em nota, que o estudo do local mais adequado para o investimento da CSN será feito pela Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade (Invest SP). Conforme o governo, o polo engloba as regiões de Campinas, Ribeirão Preto, RMSP (ABC, Alto Tietê e Oeste), São Carlos, São José do Rio Preto, Sorocaba e Vale do Paraíba.

“É um investimento substantivo, que atende a perspectiva do Polo Metal-Metalúrgico. É a primeira conquista já desse programa dos polos”, destacou o governador João Doria. “É razão de orgulho para São Paulo ter a oportunidade deste anúncio nessa dimensão, não apenas pelo investimento, mas pelos empregos diretos, lembrando que a CSN, pela natureza, metal e metalúrgica, também trabalha em cadeia e tem na indústria automobilística um dos seus principais segmentos de consumo daquilo que ela produz”, acrescentou.

Ainda de acordo com o governador tucano, o objetivo do polo de desenvolvimento é fomentar e incentivar o aumento da produtividade da indústria, atraindo investimentos, impulsionando a inovação e a geração de empregos e renda, otimizando na mesma região geográfica políticas públicas que impactam direta ou indiretamente o setor produtivo.

Polos setoriais

Já o presidente da CSN, Benjamim Steinbruch, afirmou, também em nota, que para perpetuar a indústria é vital a integração aos polos setoriais. “Os polos têm a convergência, não só dos grandes clientes, como daqueles que fazem parte da cadeia. Quanto mais próximo estiver, melhor”, disse. O investimento de 1,5 bilhão de reais será usado para construir uma usina de galvanização de aço que terá capacidade para 350 mil toneladas por ano, segundo afirmou Steinbruch.

A CSN foi a primeira produtora integrada de aço plano no Brasil, o que é considerado um marco no processo de industrialização do País. Seu aço viabilizou a implantação das primeiras indústrias nacionais.

A companhia fundada em 1941 foi privatizada em 1993 e desde então tem diversificado sua atuação nos 18 estados brasileiros onde está presente, além de Alemanha e Portugal.

O investimento anunciado ontem é o primeiro de grande proporção feito pelo governo paulista com o apoio direto do poder público desde 23 de maio, quando o governador João Doria anunciou a criação de 11 polos de Desenvolvimento Econômico com pacotes de benefícios setoriais para a indústria.

Os polos estão distribuídos em Campinas, Bauru, Piracicaba, Alto Tietê, Presidente Prudente, Grande ABC, Baixada Santista e Vale do Paraíba. Os locais escolhidos já concentram as empresas ligadas aos setores farmacêutico metalúrgico; de máquinas e equipamentos; automotivo; químico, borracha e plástico; petroquímico; de biocombustíveis; de alimentos e bebidas; têxtil; de vestuário; de couro e calçados; de tecnologia e ecoflorestal.

Segundo Doria, a qualificação de mão de obra se dará por meio das Faculdades de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatecs) e Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) como um dos estímulos ao desenvolvimento. “Quanto mais qualificada a mão de obra, melhor a qualidade do serviço ofertado ao setor privado, mais geração de emprego e mais velocidade na contratação de profissionais.”