São Paulo - Sair do ensino médio com visão empreendedora e conhecimento do mundo corporativo ainda é um desafio para a educação brasileira. Para amparar alunos na transição escola-mercado, colégios estão aderindo a um curso que simula o processo de empreendedorismo, da criação da empresa à venda do produto.

O curso "Minha empresa nas escolas" está presente em 25 estabelecimentos de ensino paulistas, é extracurricular e gratuito. "Temos tido bastante procura das escolas, mas a grande maioria ainda são as Etecs, que já trabalham com este conceito aliando o estudo com a prática", comenta o mentor do curso e especialista em gestão de pessoas, Silmar Strubbe. Segundo o mentor, o projeto simula um ambiente real de empreendedorismo. "A gente trabalha com um valor simbólico de dinheiro, impostos, definição de cargos e departamentos. Tudo o que realmente permeia o ambiente de uma empresa", diz Strubbe.

Nos quinze encontros, que acontecem semanalmente, os alunos trabalham a concepção da empresa e do produto, realizam pesquisa de viabilidade e de mercado, fazem a captação de recursos para a fabricação até chegarem às vendas e aos lucros.

No último domingo um grupo de mini empreendedores foram vender seus produtos em uma feira no Shopping Eldorado, na Zona Oeste de São Paulo. "Essa experiência permite eles terem conhecimento de como funciona o mercado, a concorrência, como gerenciar o dinheiro, fechar o caixa. Toda a vivência é real para que eles saiam da escola mais preparados para o mercado de trabalho e para ter o próprio negócio", diz Strubbe.

Segundo o especialista, um dos cases de sucesso desse ano é o suporte de celular flexível, o MobiFlex, que foi criado pela empresa Color Solutions. Até agora os mini empresários já venderam 120 unidades do produto.

Ao final do projeto é perceptível o amadurecimento dos jovens, avalia Strubbe. Segundo ele, muitos saem do projeto\escola focados em empreender. "Isto me faz acreditar que a escola tem, sim, o papel e o dever de trabalhar o empreendedorismo no seu currículo. Isso é preparar pessoas, profissionais para o futuro. Hoje temos case de sucesso, de empresários que no passado participaram desse projeto" comenta Strubbe.