Publicado em

O governo do Estado pretende anunciar qual será o rumo tomado para a condução das quatro concessões de centrovias e marginais no segundo semestre deste ano. As ações vencem ainda no mandato do governador João Doria.

A intenção da gestão estadual é acelerar os estudos de concessões de Centrovias, AB Triângulo do Sol, Via Oeste e Renovias.

O caso mais avançado, da Centrovias, responsável pela rodovia Washington Luís no interior, já foi definido e deve ter nova licitação em julho. A afirmação foi dada pelo diretor da Artesp, Giovanni Pengue.

Em relação à concessão das marginais dos rios Pinheiros e Tietê, ele diz que aguarda o retorno dos estudos feitos pelas duas interessadas para que o governo defina se o projeto será viável economicamente. Se for, acha possível colocar a licitação “na rua” ainda este ano, para resultado no decorrer de 2020.

O diretor da Artesp explica que, para as concessões que vencem ainda no mandato Doria, o governo avalia uma renovação direta, sem licitação, mas desde que se incluam novos investimentos ou obrigações diferenciadas para a concessionária.

Marginais

Pengue explica que, em relação à concessão das marginais dos rios Pinheiros e Tietê, o governo paulista ainda aguarda o estudo de viabilidade das duas interessadas para decidir sobre a viabilidade financeira do projeto.

A gestão João Doria definiu que não quer pedágio nas duas vias. A ideia é uma Parceria Público Privada (PPP) Administrativa, pelo qual a empresa diz ao governo quanto precisará ano a ano para investimentos, manutenção e remuneração e os recursos saem dos cofres públicos. O diretor da Artesp afirmou ainda que tampouco interessa incluir cobrança no trecho da rodovia Raposo Tavares.