Publicado em

Empresa especializada na fabricação de colchões, a Flex do Brasil investiu em 2018 R$ 400 mil na aquisição de uma máquina importada de enrolar colchão de mola, ou seja, colchões que são embalados à vácuo, comprimidos e depois enrolados facilitando a logística da fábrica e também a logística em relação ao cliente.

Com fábrica em Limeira (SP), a empresa conta com uma equipe de 200 funcionários e produz 550 colchões por dia. Além do recurso destinado ao maquinário, a empresa investiu em eficiência e na modernização de algumas linhas de bordadeiras e linhas de montagem.

A empresa fabrica os colchões das marcas Simmons, Flex e Epeda, todas com certificação do Inmetro. O início das atividades no Brasil foi há quase duas décadas, em 2000, e a empresa faz parte do grupo espanhol Flex Bedding, que opera ainda com fábricas próprias nos Estados Unidos, Chile, Portugal, Reino Unido, Espanha e Cuba. Neste país, opera em parceria com o governo atendendo a grandes redes varejistas internacionais como Carrefour, Macy's, Bloomingdales, El Corte Inglés, Harrods, além de atender também as maiores redes hoteleiras tanto no Brasil quanto no mundo.

Com mais de 100 anos de história, é líder de vendas na Espanha e está entre os 10 maiores do mundo na fabricação de colchões, camas articuladas, edredons, travesseiros, roupas de cama e mobiliários para dormitórios.

Brasil

Segundo o diretor geral da Flex do Brasil, Edson Ayub, a expectativa é fechar 2018 com um crescimento no faturamento em torno de 7% a 8% em relação a 2017, mas em termos de rentabilidade da companhia, explica, o crescimento supera os 50% devido a projetos implantados de eficiência, de reestruturação e de vendas.

"Fizemos algumas mudanças importantes na fábrica. Nós reduzimos em quase 4 mil km de circulação por ano de empilhadeiras dentro da fábrica. Em termos de vendas, nós saímos de alguns canais pouco rentáveis como grandes magazines, onde se vende preço e o tamanho da parcela, e decidimos investir numa linha média alta em lojas especializadas de colchões, onde a gente tem uma rentabilidade maior. Foi uma decisão estratégica."

Atualmente a Flex do Brasil atende a todo o mercado nacional, nos quais o Sudeste corresponde a 47% das vendas, o Nordeste, 23%; e o Sul, 12%. Além disso, a unidade brasileira conta com uma operação de exportação para o Paraguai, Argentina, Uruguai e Bolívia.

Para 2019, Ayub, prevê um crescimento de vendas da ordem de 15% a 17%, e manter a rentabilidade de 2018. "A gente vai investir mais em preço, em distribuição, em novos canais, em novos clientes para que a gente cresça volume e cresça market share.” Para os próximos 5 anos, o grupo espanhol tem um projeto de se posicionar como uma empresa de 500 milhões de euros de faturamento e, nesse projeto, a América Latina deve estar trabalhando nos próximos 5 anos com crescimento médio anual de 10% a 12%. “Na Flex do Brasil para o ano que vem o grande investimento deve ficar na ordem de R$ 1,5 milhão, numa máquina nova de molejos ensacados para suportar esse crescimento entre 15% e 17% e se tornar mais competitivo no mercado", diz, Ayub.

Mercado

Segundo o diretor geral, o mercado de colchões no Brasil vinha numa tendência de alta até 2013. Em 2014 começou numa inversão de baixa e em 2017 estava com um volume em peças igual ao de 2012. Em termos de valor o mercado acompanhou a inflação. Segundo ele, a inflação acumulada de 2013 a 2017 foi de 29% e o valor em tamanho de mercado também cresceu 29%.

A perspectiva é de que essa demanda que está reprimida e em melhorando a economia brasileira, como já foi verificado em 2018, o consumidor se sinta mais seguro e se retome os níveis de crescimento.

Recentemente a Flex do Brasil lançou uma linha exclusiva de colchões embalados a vácuo em parceria com a rede de lojas Etna: Etna by Simmons. São seis modelos com molas ensacadas individualmente que seguem uma tendência mundial ainda pouco difundida no país. A tecnologia comprime, enrola e embala o produto, que fica leve e fácil de ser levado para casa imediatamente após a compra. Basta deixar sobre a cama e esperar que volte à forma e tamanho original. Uma pessoa consegue fazer tudo sozinha.

Os colchões, nas medidas solteiro, casal, queen e king, não deformam, devido ao processo de fabricação com matérias-primas de qualidade e alta tecnologia e não têm qualquer contato com poeira, ácaros ou sujeira até o momento em que o cliente o desembala dentro de casa, num processo simples e rápido. A linha também é mais sustentável, pois ao ocupar bem menos espaço para armazenagem e transporte, contribui para reduzir a emissão de poluentes na atmosfera.