Publicado em

O setor de varejo alimentar no Estado de São Paulo abriu 784 postos de trabalho no segundo mês de 2019. Este foi o melhor resultado para o mês desde 2014, quando foram observadas 1.906 contratações.

O levantamento foi realizado pela Associação Paulista de Supermercados (APAS). Segundo o economista da entidade, Thiago Berka, o aumento da confiança do consumidor, o emprego formal voltando aos poucos, devido a gradual melhora na economia, e a Páscoa em abril com expectativas de 5% de aumento de vendas influenciaram resultados de empregos no mês.

“Devido a este cenário favorável, o setor respondeu com um número de contratações superior aos péssimos resultados dos últimos meses”, afirma.

Em uma análise por canal, segundo o levantamento, o segmento de Supermercados e Hipermercados ainda é o grande responsável pela maioria das contrações, encerrando fevereiro com 839 novas vagas.

Por outro lado, o setor de atacado/atacarejo voltou a sofrer com os desligamentos e finalizou o mês com 112 demissões.

A capital paulista foi a grande responsável por puxar a forte criação de empregos, segundo a APAS. De acordo com o estudo, foram 768 novas vagas, quase 100 a mais que as 670 obtidas em fevereiro do ano passado.

Em segundo lugar aparece Mauá, na região do ABC paulista. O levantamento aponta que a cidade teve 182 contratados em fevereiro. O número é “muito melhor” em comparação com as 145 demissões no mesmo mês de 2018, segundo o economista. A terceira posição ficou Ribeirão Preto, que abriu 88 novos postos de trabalho.

Panorama

Apesar do bom resultado, o Estado de São Paulo ficou em terceiro lugar na criação de vagas de emprego considerando o setor do varejo alimentar.

O destaque de fevereiro, segundo a APAS, foram os estados do Paraná e Pará, que ficaram praticamente empatados na liderança com, respectivamente, 836 e 830, vagas criadas. Na quarta posição ficou o estado do Rio de Janeiro, com a criação de 312 vagas.