Publicado em

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC deve concluir até sexta-feira um documento que será levado à Brasília com reivindicações para que a região receba um centro de pesquisa e desenvolvimento de ferramentaria, como parte do Rota 2030, programa automotivo brasileiro que prevê isenções para montadoras que investirem em tecnologia.

A proposta surgiu durante uma reunião entre os agentes do setor realizada na sede da entidade regional, em Santo André, na manhã desta segunda-feira (15) e será finalizada na próxima sexta-feira (19).

A reunião contou com a participação de representantes de universidades e escolas técnicas, sindicatos, empresas do setor e representantes políticos das 7 cidades participantes.

Esse documento será apresentado para o ministro da Economia, Paulo Guedes, em uma futura reunião em Brasília com os prefeitos da cidades do ABC.

“A ideia é que nos aproximar do presidente da república, Jair Bolsonaro. Não tem sentido o Grande ABC perder um equipamento para desenvolvimento do setor da ferramentaria. A região tem todas as potencialidades e estrutura técnica para receber um polo tecnológico voltado ao setor”, falou o secretário-executivo do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, Edgard Brandrão.

Na abertura do evento, o diretor de Programas e Projetos do Consórcio ABC, Giovanni Rocco, apresentou as potencialidades do Grande ABC no setor metalúrgico. Depois, falaram o prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, o secretário-executivo da entidade, o deputado estadual Paulo Nishikawa e o secretário Desenvolvimento e Geração de Emprego de Santo André, Evandro Banzato, que representou o Grupo de Trabalho (GT) Desenvolvimento Econômico, coordenado por um representante da prefeitura andreense.

Vocação histórica

A região do ABC paulista é historicamente conhecida como um polo industrial e econômico, especializado no setor automotivo. Entretanto nos últimos anos vêm enfrentando problemas com a crise econômica além da fuga das indústrias mais importantes do setor automotivo por questões tributárias, o que levou as cidades a se unirem.