Publicado em

Bauru e Região - O município de Marília está posicionado entre as 25 cidades mais desenvolvidas do País, segundo levantamento do Sistema Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), com base de dados de 2013.

Com o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal de 0, 8730, a cidade de Marília aparece na 23ª posição no Brasil - entre mais de 5.500 municípios - e na 17ª colocação no Estado de São Paulo - bem à frente de outras cidades paulistas importantes como Ribeirão Preto, Sorocaba e São Carlos. E também supera os indicadores de outros municípios da região, como Bauru, Presidente Prudente e Araçatuba.

Segundo o prefeito Vinicius Camarinha, a tendência é que este índice de desenvolvimento aumente ainda mais nos próximos anos. "Graças aos investimentos que promovemos nas áreas da educação, saúde, desenvolvimento econômico, mais a nova lei de redução de impostos e o projeto de criação do Parque Tecnológico, nossos indicadores junto à Firjan devem melhorar ainda mais nas próximas avaliações", diz.

O IFDM é calculado de acordo com três indicadores: emprego e renda; educação; saúde. O índice varia de 0 a 1. "Apenas 7,8% dos municípios brasileiros possuem um índice de desenvolvimento considerado elevado e Marília faz parte deste seleto grupo", enfatiza o secretário de Trabalho, Desenvolvimento Econômico e Turismo, Cássio Luiz Pinto Jr.

"Marília é a capital nacional do alimento e possui uma característica bem peculiar: a maioria das industriais é de origem familiar, o que faz com que os investimentos sejam praticamente reaplicados no município. Este é o seu grande diferencial e que a fez ter este índice elevado de desenvolvimento em comparação com outros municípios do País", comenta o diretor regional da Fiesp, Flávio Peres.

Além do bom resultado com o índice da Firjan, Marília também recebeu, no final do ano passado, a nota máxima do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo pelos investimentos em educação e saúde. O estudo do TCE realizou uma ampla pesquisa em todos os municípios paulistas. Segundo o chefe do Executivo, as áreas de educação e saúde têm prioridade para a administração pública e vem recebendo a aplicação de percentuais bem acima do estipulado pela lei.

Indústrias de grande porte

De acordo com levantamento da Secretaria de Desenvolvimento, no ano passado, o município registrou uma média mensal de 200 novas empresas que somaram um capital social de R$ 4 milhões/mês. "Esse investimento totalizou um montante de aproximadamente R$ 50 milhões em recursos aplicados no nosso município", ressalta o titular da pasta, Cássio Pinto Júnior.

Entre as empresas que vão instalar novos empreendimentos estão a RCG Tecnologia Eletromecânica e a Harald Chocolates Industriais. Juntas, a RCG e a Harald devem gerar mais de 800 empregos diretos para o município. A RCG está em fase de implantação de uma unidade produtora de lâmpadas Led, com um aporte de R$ 20 milhões.