Publicado em

Começaram nesta semana as obras do novo Hospital Pérola Byington, especializado na saúde da mulher, que funcionará numa área construída de 44,4 mil m² na região da Nova Luz, no Centro. O investimento é de R$ 307 milhões.

O hospital será instalado em modelo de Parceria Público-Privada (PPP). Do total investido, R$ 184 milhões são do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Anunciada em 2013, a obra enfrentou entraves burocráticos que retardaram por anos a construção do hospital. O governador João Doria, o prefeito Bruno Covas e o secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann Ferreira, estiveram no local na última terça-feira, dia 13.

“Esta unidade hospitalar do Pérola Byington era um sonho nosso, meu e do Bruno [Covas]. Aliás, justiça seja feita, também do governador Geraldo Alckmin, assim como do [ex-Secretário da Saúde] David Uip”, declarou Doria. “As circunstâncias, às vezes, dificultam que o prazo que nós todos desejamos possa ser cumprido na velocidade que queremos”, justificou.

De acordo com o governador, o novo prédio vai trazer também revitalização para toda a região. “Não é só a questão da saúde, é a recuperação da Nova Luz”, afirmou, acrescentando que o hospital ampliará a capacidade de atendimento em comparação ao atual Centro de Referência da Saúde da Mulher.

Com previsão de 36 meses para ser entregue, o hospital será totalmente repaginado quando estiver pronto. Segundo informações do governo do Estado, o novo prédio terá 162 leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), 10 deles de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Terá também um centro de diagnóstico 60% maior em relação ao atual, 14 salas de centro cirúrgico e seis salas de cirurgia ambulatorial.

Considerado referência em atendimento ginecológico, oncológico e às vítimas de violência sexual, o Pérola Byington terá ainda áreas de medicina nuclear e tratamento de radioterapia para mulheres com câncer. O governo paulista estima aumento de 160% no número de cirurgias oncológicas e endoscopias, chegando a 5,2 mil procedimentos, o que colocará o novo hospital como o maior serviço público nacional de atenção a pacientes com endometriose.

A capacidade de atendimento ambulatorial também crescerá, saltando de 8 mil para 12,6 mil atendimentos – um aumento de cerca de 60%. “Esse novo hospital representa o comprometimento da gestão com a saúde pública, entregando um serviço altamente qualificado e especializado”, disse Germann.

Anualmente, o Pérola recebe mil novos casos de câncer de mama, útero e ovário por mês. No futuro, ampliará em 60% o número de consultas e ciclos de quimioterapia, chegando a 12 mil e 20 mil por mês, respectivamente. O novo hospital também contará com ampliação do setor de atendimento à vítima de violência sexual por meio do programa “Bem Me Quer”, que já atende cerca de 4 mil casos de violência sexual por ano e atende 24h.