Publicado em

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, assinou na sexta-feira (6) 32 novos contratos das concessionárias de ônibus na cidade com duração de 15 anos. O novo contrato reorganiza o sistema na cidade de São Paulo, que desde 2013 era regulado por meio de contratos de emergência.

A licitação estava suspensa pela Justiça, que considerou inconstitucional o artigo que ampliava de 15 para 20 anos o prazo contratual das concessões. As empresas que ganharam a licitação são as mesmas que já operam na cidade. “Nós temos hoje linhas sobrepostas, linhas que concorrem com trem e metrô”, explicou em entrevista coletiva para falar sobre a greve dos motoristas e cobradores na cidade. A eliminação de postos de trabalho com a redução de linhas é um dos pontos que levaram à paralisação iniciada na madrugada. Os trabalhadores também reclamam do não pagamento e Participação nos Lucros e Resultados.

Covas negou que a prefeitura tenha qualquer relação com os problemas nos pagamentos dos motoristas e trabalhadores. “A prefeitura está com o pagamento em dia em relação às empresas concessionárias. Portanto, eventual verba trabalhista que não esteja sendo repassada aos funcionários não é por conta de falta de pagamento da prefeitura”. O prefeito se dispôs a antecipar pagamentos às companhias para que elas possam honrar os compromissos assumidos com os empregados. “A prefeitura se coloca à disposição das empresas, para antecipar receitas que têm para resolver os problemas de fluxo de caixa”, acrescentou.

Sobre a manutenção dos empregos, Covas disse que a orientação feita às concessionárias é que as alterações sejam efetuadas de modo a preservar os atuais funcionários. “Nós estamos orientando as empresas que façam essas adaptações sem contratação de novos funcionários, reaproveitando os que elas já tem para evitar qualquer demissão”. A mesma estratégia deve ser adotada em relação ao fim dos postos de cobrador. A intenção é gradualmente acabar com a função, uma vez que a maior parte dos pagamentos são feitos pelo sistema eletrônico do Bilhete Único.