Publicado em

A prefeitura de São Paulo concluiu na quarta-feira (17) a nova licitação para os serviços de varrição nas ruas da capital. Os novos contratos vão gerar uma economia de cerca de R$ 19 milhões por mês aos cofres públicos apenas com os serviços de limpeza de ruas, avenidas e praças da cidade.

A licitação vai durar três anos. Durante o período de vigência dos contratos, a economia total será de R$ 684 milhões em relação ao contrato anterior.

Em relação ao preço referencial previsto no edital, a prefeitura conseguiu uma economia de R$ 15,5 milhões. O motivo, segundo a máquina pública, foi a concorrência de preço que foi disputada por 17 empresas e consórcios.

Atualmente são investidos R$ 84 milhões por mês em serviços de varrição. Com a licitação, o aporte vai passar a ser de R$ 65 milhões. Ao início da administração das novas empresas e consórcios, os contratos emergenciais de varrição serão encerrados automaticamente.

A prefeitura estava conduzindo a varrição da cidade por meio de contratos emergenciais há quase dois anos. Em 2017, a gestão finalizou os contratos com as empresas Inova e Soma, que administravam os serviços de limpeza da cidade.

Algumas tentativas para reabrir as licitações e contratar os serviços do setor privado foram feitas, mas nenhuma havia sido aprovada pelo Tribunal de Contas do Município de São Paulo desde então. O que levou às contratações emergenciais.

Com as novas licitações, além da economia de cerca de 22% ao mês de recursos públicos, os serviços serão melhores, segundo a prefeitura. A gestão municipal fez adequações e ajustes no edital a fim de propor melhorias na execução dos serviços de limpeza urbana.

Entre as mudanças está a destinação final, triagem e tratamento adequado de resíduos. Além disso, de acordo com a prefeitura, as empresas administradoras serão obrigadas a enviar os materiais recicláveis às cooperativas e às centrais mecanizadas.

O resultado da licitação e as empresas vencedoras foram publicados no Diário Oficial da Cidade de São Paulo na quarta-feira. A cidade foi dividida em seis lotes, cujos vencedores são os seguintes: Corpus Saneamento e Obras Ltda. (Lote 1); Sustentare Saneamento S. A. (Lote 2); Consórcio Locat SP (Lote 3); Consórcio Limpa SP (Lote 4); Consórcio Ecoss Ambiental (Lote 5); Consórcio SCK (Lote 6).

Segundo a prefeitura, o atual edital proposto é resultado do acompanhamento da execução do contrato anterior pelo Tribunal de Contas do Município (TCM), combinado com a implantação de novas tecnologias e modelos de gestão de resíduos sólidos urbanos alinhados à Prefeitura de São Paulo.