Publicado em

A Prefeitura de São Paulo realizará na manhã deste sábado, 6, a assinatura da escritura de posse do terreno do Parque Augusta, na região central da capital paulista. Segundo a gestão Bruno Covas (PSDB), a previsão de abertura é para 2020.

Antes da inauguração, a área passará por uma série de intervenções e instalação de equipamentos públicos, tais como “cachorródromo”, deck, redário e playground. O Parque integra uma série de propostas da gestão Covas para a região central, o que inclui também o Parque Minhocão e o Vale do Anhangabaú.

O espaço terá quatro portões de acesso. A entrada de serviço será pela Rua Marquês de Paranaguá, enquanto o portão principal será o da Rua Caio Prado e os demais ficarão na Rua Augusta.

Na área externa, o projeto prevê a recuperação das calçadas, reforço do muro e troca do gradil, além da criação de vagas de estacionamento para pessoas portadoras de necessidades especiais.

Dentro do parque, serão instaladas 19 lixeiras e oito bebedouros, tanto do modelo comum como para cães, além de três bicicletários e sanitários públicos. Para descanso, estão previstos uma área com espreguiçadeiras e um redário.

A parte de lazer também contempla um cachorródromo (de 450 metros quadrados), uma área de prática de slackline, equipamentos de ginástica para terceira idade e um playground, com brinquedos inclusivos.

O parque terá uma praça e um deck elevado, ambos com, respectivamente, 559 e 440 metros quadrados. Além disso, incluirá um centro de compostagem e manejo, um centro de informações turísticas e um espaço para educação ambiental e atividades culturais, instalado em uma antiga edificação da área, ligada ao Colégio Des Oiseaux. Em uma área com remanescentes históricos do colégio, será criada uma trilha de terra batida.

Negociações

Em 2018, a Prefeitura fez um acordo com as construtoras proprietárias da área, que receberão títulos de potencial construtivo para aplicar em outros terrenos. Em novembro, a Justiça extinguiu a última ação que travava a transferência do terreno. As construtoras precisarão pagar uma indenização de R$ 9,8 milhões.