Publicado em

SÃO CARLOS

Pela primeira vez em São Carlos, Miodrag Lovric afirmou que é preciso mostrar às pessoas uma nova definição da estatística. Ele encorajou 619 pesquisadores de 105 países a trabalhar em um mesmo projeto pacífico: a Enciclopédia Internacional de Ciências Estatísticas. Indicado três vezes ao Prêmio Nobel da Paz devido a essa iniciativa inédita, Lovric esteve pela primeira vez em São Carlos, para ministrar a palestra "O Futuro das Ciências Estatísticas" no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP.

Ao unir os melhores estatísticos do mundo, além de especialistas das mais diversas áreas do conhecimento, Lovric rompeu as tradicionais barreiras que separam, por exemplo, israelenses e palestinos. "Quando eu comecei o projeto, muitas pessoas do meu país, a Sérvia, disseram que eu não alcançaria meu objetivo, pois nenhum croata participaria. Resultado: na Enciclopédia há 6 pesquisadores da Sérvia e 60 da Croácia", contou Lovric.

A motivação que o levou à elaboração da Enciclopédia surgiu quando Lovric retornou à antiga Iugoslávia em 2002 - depois de permanecer na Nova Zelândia de 1995 a 1998, e na Austrália de 1998 a 2002, período em que a Iugoslávia fragmentou-se em seis frágeis repúblicas - e notou que era preciso estimular o estudo da estatística. "Eu percebi que a educação em ciências estatísticas estava em crise não só em meu país, mas em muitos outros países", explicou.

Para o sérvio, da Universidade de Kragujevac, apesar de hoje vivermos a "era de ouro da estatística", a imagem pública dessa ciência ainda é muito pobre. "As pessoas não entendem o significado da estatística. E toda a vez que não entendemos algo, temos medo e atacamos. Cito o exemplo de professor do meu país que disse: odeio computadores. Ele quer dizer: eu não sei como usar isso, logo eu não preciso disso".

Segundo Lovric, as pessoas costumam pensar que a estatística está relacionada apenas a previsões esportivas e, por isso, trata-se de algo mentiroso. "Precisamos educar, precisamos mostrar às pessoas uma diferente definição sobre as ciências estatísticas: trata-se de uma ciência que mostra como podemos extrair informações dos bancos de dados e viver melhor. A estatística nos dá esse poder de descobrir como podemos tornar nossas vidas melhores. Se nós a definirmos dessa forma, as pessoas vão compreender sua importância", destacou.

Lovric é, atualmente, professor visitante na Universidade Federal de Pernambuco. Antes de vir ao Brasil, ele já esteve em outros cinco continentes, mas nunca na América do Sul. Na opinião dele, o Brasil tem um grande futuro pela frente devido aos inúmeros recursos existentes. "Em minha visão, o Brasil deveria fazer como os Estados Unidos: convidar os mais brilhantes pesquisadores de todo o mundo para vir às universidades daqui, fornecendo-lhes os recursos necessários, porque aqui há dinheiro para isso".

Em relação às primeiras impressões a respeito de São Carlos, Lovric disse que as pessoas devem se sentir muito orgulhosas por estudarem aqui. "Eu fiquei impressionado. A USP é comparável a universidades da Austrália, Nova Zelândia, Cingapura, e até com Hong Kong - que é considerada a primeira em estatística no mundo", finalizou.

Questionado sobre como a ciência estatística pode ajudar na articulação da paz, ele responde fazendo referência ao livro A fundação, do russo Isaac Asimov: "Ele fala do futuro, de como as pessoas usam a ciência estatística para prever o que vai acontecer no mundo por 2 mil anos. Então, penso que podemos usá-la para procurar o caminho possível para o futuro", ressalta. Para ele que a estatística ajuda a melhorar o mundo pois nos ajuda a ver o que está errado ao nosso redor: "A cada 3 segundos uma criança morre de fome no mundo. Isto é o que a estatística mostra", exemplifica.