Publicado em

A capital paulista faz parte da lista das 33 megacidades ao redor do mundo, como aponta estudo feito pela Euromonitor International, provedor de pesquisa de mercado.

O levantamento “Megacities: Developing Country Domination” (“Megacidades: Dominação de Países em Desenvolvimento”, em tradução livre) classifica uma megacidade como aquela que tenha 10 milhões ou mais de habitantes.

Essas regiões são importantes por gerarem renda, diversidade social, crescimento econômico e inovação no país. Além disso, as megacidades atraem quem busca por emprego, empreendimentos comerciais e educação.

Para o historiador da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Sérgio Ribeiro Santos, o conceito urbanístico leva em consideração a população e recursos da própria cidade. “No caso de São Paulo, temos milhões de habitantes e também temos uma certa independência em termos de recursos. Tirando os recursos alimentícios, produzimos tudo”, explicou o professor.

Apesar da classificação, tanto São Paulo quanto Rio de Janeiro, únicas cidades brasileiras na lista, têm as maiores taxas de desemprego, as menores taxas de educação entre a população acima de 15 anos e a maior desigualdade de renda das Américas, segundo o GINI Index.

“As megacidades, de um modo geral, compartilham desafios semelhantes”, comentou Ribeiro Santos. O urbanista apontou que São Paulo tem problemas de mobilidade, planejamento urbano, violência, questões de moradores de rua, crescimento desordenado e centralização. “São problemas proporcionais ao tamanho da cidade”, disse.

De acordo com a Euromonitor, o Brasil está como quinto país com maior número de megacidades, atrás apenas da China, Índia, Japão e Estados Unidos.

Futuro das megacidades

Atualmente, 26 das 33 megacidades estão em países em desenvolvimento. Até o ano de 2030, mais cinco cidades dessas regiões serão adicionadas à lista.

Até lá, 9% da população mundial viverá em megacidades e, por causa do envelhecimento da população, Tóquio terá sua população reduzida em dois milhões de habitantes, perdendo a primeira posição para Jakarta, capital da Indonésia.