Publicado em

São José dos Campos - Uma das mais importantes estações ferroviárias do ciclo do café será recuperada no Vale do Paraíba paulista. A Estação Ferroviária de Taubaté, com 139 anos de fundação, será restaurada e aberta ao público em 2016 como um grande Centro Cultural e Turístico.

A ação vai servir para preservar um dos mais importantes monumentos da história do ciclo cafeeiro da região. A estação foi construída em estilo arquitetônico europeu do século 19, e o prédio é considerado único e de grande importância histórica. Na época era o único meio de ligação entre S. Paulo e Rio de Janeiro, pois ainda não havia a Rodovia Presidente Dutra.

Personagens históricos

Consta que a estação foi utilizada por personagens importantes do cenário econômico e cultural da história.

Entre outros, pelo escritor e empresário Monteiro Lobato, pelos médicos sanitaristas Emílio Ribas e Osvaldo Cruz, pelo empresário Felix Guisard, além do presidente Getúlio Vargas, Dom Pedro II e a Princesa Isabel, ao longo de sua existência.

Chaves do local

O projeto Estação do Conhecimento será implementado no local, tanto na estação como em um armazém anexo, pelo Instituto I.S. de Desenvolvimento e Sustentabilidade Humana, uma organização social de Taubaté.

Seu diretor, Rodrigo França, recebeu as chaves do local no final de dezembro de 2014, depois de quase três anos de negociação com a MRS Logística e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), órgão da União.

Fechada desde 1980

A estação está fechada para o público desde 1980.

O prédio está sem uso desde 2003, quando a concessionária MRS transferiu de lá suas operações administrativas.

O armazém, que faz parte do complexo, esta fechado desde 2009 pelo fim do contrato de locação para uma empresa de cimento. "Acreditamos que Taubaté receberá o novo Centro Cultural Estação do Conhecimento em dezembro do ano que vem, quando completará 140 anos da existência da Estação Ferroviária de Taubaté, que foi fundada em 27 de dezembro de 1876, então com um prédio de madeira."

Prédio de alvenaria

O prédio atual, de alvenaria, foi inaugurado em junho de 1923, como revela Rodrigo França, o diretor da entidade responsável pelo restauro do conjunto arquitetônico.

O projeto tem o suporte da Lei Rouanet e a Estação se encontra em processo de tombamento pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), entidade da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo.

Primeira limpeza

Na segunda quinzena de janeiro deste ano, a Estação Ferroviária de Taubaté foi submetida a um primeiro procedimento de limpeza.

A prefeitura destacou uma equipe com 20 funcionários que em dois dias retiraram quatro caminhões de entulhos e lixo do local.

Atividades programadas

A área total construída é calculada em 2,5 mil metros quadrados.

Cada um dos prédios tem por volta de 500 metros quadrados e serão usados para as atividades programadas, como um café cultural, um museu sobre a estação e espaços para atividades ligadas a cultura do Vale do Paraíba.

Em 2013, a Prefeitura de São José dos Campos anunciou que restaria três estações do século 19 e início do século 20 existentes no município, a do Limoeiro - que chegou a ser restaurada no começo dos anos 90 -, Eugênio de Mello e a Martins Guimarães.

A importância na região

Embora sejam bem inferiores em valor histórico e arquitetônico que a estação de Taubaté, foram importantes na história do desenvolvimento do município.

Entretanto os prédios foram saqueados e estão em péssimas condições e podendo ruir a qualquer momento.

Até o momento nenhuma ação efetiva foi tomada para o restauro dos prédios.