Publicado em

Levantamento do Sindicato da Habitação (Secovi-SP) indica que o mercado de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo no mês de abril foi 41,0% maior que em abril de 2018. Foram 2.541 unidades vendidas, número 14,9% abaixo das vendas de março.

No acumulado de 12 meses, de maio de 2018 a abril deste ano, foram 31.700 unidades comercializadas, um aumento de 16,0% em relação aos 12 meses anteriores. Os lançamentos cresceram 50,7% ante março, para 3.136 unidades residenciais na capital paulista, e 161,1% sobre abril de 2018, de acordo com dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp). Em 12 meses foram 39.641 unidades, alta de 25,4%.

Locação

Uma pesquisa realizada pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (CreciSP) em Caraguatatuba, Ubatuba, São Sebastião, Ilhabela, Bertioga, São Vicente, Santos, Guarujá, Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe mostra que dos 21 tipos de imóveis disponíveis para locação nas 22 imobiliárias consultadas, 13 estão com valores de diárias maiores que no mesmo período do ano passado.

Nas cidades da faixa central do Litoral, como Santos e Guarujá, os cinco tipos de casas e apartamentos em oferta têm aluguéis diários mais caros este ano. O aumento foi de 170,76% para as diárias de casas de 4 dormitórios, que pularam de R$ 812,50 para R$ 2.200,00 – o aluguel mais caro dessa temporada. As diárias das casas de 3 dormitórios também tiveram aumento significativo, de 138,59% – a diária saltou de R$ 570,00 para R$ 1.360,00.

Entre os apartamentos, aumentou 143,24% a diária média de 1 dormitório (de R$ 185,00 para R$ 450,00) e 68,84% a dos de 2 dormitórios (de R$ 276,00 para R$ 466,00). O menor aumento, de 2%, foi o das diárias dos imóveis de 3 dormitórios, que passaram de R$ 600,00 para R$ 612,00.

No Litoral Norte, foi registrado o segundo maior aumento entre todos os tipos disponíveis para locação – apartamentos de 3 dormitórios são oferecidos por diária média de R$ 975,00, 169,52% mais que os R$ 361,75 de 2018.