Publicado em

Os lojistas paulistas esperam uma alta de 2% nas vendas para o Dia das Mães, segunda data mais benéfica para o comércio. Assim, o valor médio de compra de cada cliente deve ficar entre R$ 60 e R$ 100.

A pesquisa da Federação das Câmaras Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo (FCDLESP) foi realizada em conjunto com as principais Câmaras de Dirigentes Lojistas (CDLs) paulistas, que colaboraram com dados sobre a data comemorativa.

Para os lojistas, o contexto econômico atual do país permite apenas um aumento discreto, sem muitas alterações. “O aumento nas vendas neste primeiro trimestre foi brando, confirmando que a economia brasileira está se recuperando lentamente. Por isso, neste Dia das Mães, as expectativas seguem moderadas. Os setores que podem se beneficiar, como em todos os anos, é o alimentício, como restaurantes, lojas de chocolate e floriculturas, além de vestuário e perfumaria”, afirmou o presidente da FCDLESP, Mauricio Stainoff.

De acordo com o levantamento, cerca de 60% do comércio do Estado pretende abrir vagas temporárias para a data. No ABC, diferente de algumas cidades analisadas, há até a possibilidade de efetivação de acordo com o desempenho do funcionário. “O Dia das Mães é o segundo feriado mais importante para o varejo em volumes de vendas. Por isso, precisamos aproveitar a chance de alavancar o desempenho do comércio”, disse Marcello Alexandre, presidente da CDL de São Bernardo e Distritos.

As expectativas da região metropolitana de São Paulo são de um crescimento mais significativo. A CDL de Itaquera, por exemplo, espera um aumento de 5% nas vendas e a do ABC, 2%. Ambas preveem um ticket médio entre R$ 100 e R$ 150.

No litoral, serão abertas até 300 vagas temporárias, principalmente nos setores de joalheria, perfumaria e vestuário. O gasto esperado por cliente na região está entre R$ 60 e R$ 100.

No interior, os setores com mais chance de faturamento são vestuários e eletrônicos. Para o presidente da CDL de Bauru, Odair Secco, o cliente está preparado para gastar pouco e a vista, já que a liberação do FGTS já acabou.