Publicado em


SÃO PAULO – A balança de pagamentos foi superavitária em 2012 graças à conta financeira e de capital, em especial aos investimentos estrangeiros diretos, que compensaram o déficit da conta corrente. Em números, o superávit da balança de pagamentos foi de US$ 18,9 bilhões, com US$ 54,2 bilhões de déficit nas transações correntes e US$ 72,7 bilhões de superávit nas transações financeiras e de capital. O resultado foi bem abaixo do alcançado no ano anterior, quando a balança de pagamentos fechou em US$ 58,637 bilhões, o que representou uma queda de dois terços no valor. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (23) pelo Banco Central (BC).



O déficit das transações correntes – componente que inclui balança comercial, balança de serviços e transferências unilaterais – foi equivalente a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB) e maior que o déficit de 2011, que alcançou US$ 52,5 bilhões, ou 2,12% do PIB.



Dentro desse grupo, a conta serviços registrou saídas líquidas de US$41,1 bilhões, acréscimo de 8,3% na comparação com 2011. Também se destacou a conta de viagens internacionais, que apresentou déficit recorde de US$15,6 bilhões, com receitas e despesas atingindo os níveis máximos de US$6,6 bilhões e de US$22,2 bilhões, respectivamente.



Para compensar os resultados negativos de comércio e serviços, os investimentos estrangeiros direitos (IED) feitos no País deram conta do recado. O saldo no ano totalizou US$ 65,3 bilhões, já descontadas as remessas de US$ 35,4 bilhões. Porém, o IED, apesar de positivo, teve ligeiro recuo de cerca de 3% com relação aos investimentos registrados em 2011.



Apesar de positiva em US$ 74,6 bilhões, a conta financeira viu seu superávit cair 32% com relação ao ano de 2011. Somado com o déficit da conta de capital de 2012, de US$ 1,877 bilhão, as transações financeiras fecharam o ano de 2012 com um superávit de US$ 72,762 bilhões, valor 35% menor do que o registrado no ano anterior.