Publicado em

SÃO PAULO - Depois de quatro altas consecutivas, o dólar fechou esta terça-feira com a maior queda em quase quatro meses frente ao real, pressionado por uma combinação entre fluxo cambial positivo, apetite por risco no exterior e sinais de alívio do lado político interno.

O dólar à vista caiu 1,39%, a 4,0478 reais na venda.

É a mais forte desvalorização diária desde 31 de janeiro passado (-1,77%).

Na B3, o dólar futuro cedia 1,69%, para 4,0400 reais.

O real teve o melhor desempenho global nesta sessão, considerando uma lista de 33 rivais do dólar.

A melhora de clima em torno das discussões a respeito da reforma da Previdência começou a se desenhar na véspera, quando congressistas e membros ensaiaram retórica favorável à matéria. O presidente Jair Bolsonaro, inclusive, abrandou o tom e disse que valoriza o Parlamento.

Nesta terça-feira, o foco se voltou para o debate sobre votações de medidas provisórias que podem caducar em poucos dias, o que seria visto como uma derrota ao governo.

No fim da tarde, o líder da maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse que a intenção é votar ainda nesta terça a MP que tira limite de capital estrangeiro nas companhias aéreas.

"Um cenário de não reforma não existe. E o mercado está vendo uma sinalização clara das forças --e do Congresso-- de que a reforma precisa ser aprovada", disse Flávio Serrano, economista-chefe do Haitong Brazil.

O profissional de um banco estrangeiro em São Paulo chamou atenção nesta terça para ingressos de recursos para o setor produtivo. O estímulo à entrada de capital fica mais destacado conforme a taxa de câmbio atinge níveis considerados mais atrativos.

Na véspera, o real caiu ao menor patamar em oito meses frente ao dólar.