Publicado em

A falta de preparo e de formação de grande parte dos gestores municipais brasileiros estará no centro das discussões do Encontro Prefeitos do Futuro que começa hoje em Brasília vai até sábado (16).

Esta é a segunda edição do evento, idealizado pelo empresário e treinador de gestão e vendas, Alexandre Souza. “Em uma conversa com uma ex-prefeita, ela me relatou que, durante os dois primeiros anos de mandato, ela não havia realizado praticamente nada, porque passou todo esse período tentando entender quais eram as funções de um prefeito”, diz. “Eu percebi, portanto, uma oportunidade de desenvolver as capacidades de gestão dos prefeitos, aproveitando esse momento de renovação política”, acrescenta Souza.

Ao citar dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o especialista conta que 54,4% dos prefeitos possuem Ensino Superior completo, enquanto 33,8% concluíram apenas o Ensino Médio. Outros 7,3% possuem só o Ensino Fundamental, ao passo que 4,6% nem chegaram a completar essa etapa.

Diante desse cenário, Souza começou, em 2018, a reunir profissionais do mercado de diversas áreas para capacitar gestores. Algumas iniciativas já estão, inclusive, começando a tomar forma pelo Brasil.

Casas populares

Souza conta que, na primeira edição do evento em 2018, os prefeitos tiveram contato com um líder de captação de investimentos chineses. Uma das ideias que surgiu durante os primeiros debates foi a possibilidade de captar recursos chineses para projetos como o Minha Casa Minha Vida (MCMV), de âmbito federal.

“Essa seria uma maneira de fazer com que a entrega das obras ganhasse mais velocidade, pois, no formato atual, há uma enorme burocracia envolvida que acaba atrasando o ciclo dos projetos. Os recursos vão sendo liberados muito gradualmente pela Caixa Econômica Federal”, comenta Souza.

Já com o aporte chinês, a construtora responsável conseguiria entregar as casas para a população em um prazo menor. “Para o prefeito, esse processo gera um ativo eleitoral. Para a construtora, também é um bom negócio, porque o aporte chinês é um aporte bom. O investidor chinês também sai ganhando, porque as taxas de retorno são maiores aqui do que na China. E o mais importante: que é reduzir o nosso déficit habitacional”, afirma o empresário.

O primeiro projeto piloto acontecerá em algumas cidades do Mato Grosso (MT). Segundo Souza, uma construtora que atua no estado começará a receber aporte chinês este ano para construir casas populares. O projeto deve atingir cidades localizadas na região do Araguaia, além de municípios como Canarana e Água Boa.

Outro exemplo é a cidade Comodoro (MT). No lugar de um estacionamento em diagonal na principal avenida da cidade, o prefeito Jeferson Ferreira Gomes (DEM) decidiu construir uma ciclovia, depois de assistir uma palestra de um urbanista, no encontro de prefeitos, explicando como cidades da Europa têm tido melhores resultados privilegiando as pessoas no lugar de carros.

“O evento traz um conteúdo muito relevante, com uma visualização de futuro, ajudando a termos um governo mais dinâmico e eficiente”, diz o prefeito Henrique Costa, de Juruti (PA). “O encontro traz ensinamentos sobre inovação, tecnologia da informação e palestras na área de educação e saúde”, destaca o prefeito Daves Soares, de Itapuranga (GO.

No evento que começa hoje, estarão presentes profissionais das áreas de mobilidade urbana, cidades inteligentes, ecossistemas tecnológicos e captação de recursos.