Publicado em

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) caiu 1,1 ponto na passagem de julho para agosto, para 92,3 pontos, na série com ajuste sazonal, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O recuo interrompe dois meses de avanços seguidos. Em médias móveis trimestrais, o índice ainda se mantém em alta, com elevação de 1,1 ponto.

"Depois de dois resultados positivos, a confiança de serviços volta a patinar. O resultado de agosto mostra que os empresários voltaram a ficar cautelosos com os próximos meses, enquanto o volume de serviços no momento continua melhorando lentamente. Essa combinação de resultados e o patamar baixo da confiança sugerem que a recuperação do setor deve continuar gradual, sem perspectivas de aceleração no curto prazo", avaliou Rodolpho Tobler, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/GV), em nota oficial.

Em agosto houve piora na confiança em nove das 13 principais atividades pesquisadas. O Índice de Expectativas (IE-S) recuou 2,3 pontos, para 95,3 pontos. O componente da tendência dos negócios nos próximos seis meses caiu 2,4 pontos, enquanto a demanda prevista nos próximos três meses diminuiu 2,0 pontos.

Já o Índice da Situação Atual (ISA-S) ficou estável em agosto, aos 89,4 pontos. O componente de volume de demanda atual subiu 0,3 ponto, e o indicador de situação atual dos negócios caiu 0,3 ponto.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) do setor de serviços caiu 0,6 ponto porcentual em agosto ante julho, para 81,8%. A coleta de dados para a edição de agosto da Sondagem de Serviços foi realizada entre os dias 1º e 23 do mês.