Publicado em

O presidente Jair Bolsonaro declarou que não irá insistir na criação de um imposto nos moldes da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Em entrevista à RecordTV exibida na noite desta segunda-feira, 16, Bolsonaro afirmou que até se pode falar em CPMF e deixar o povo discutir, mas "não pode ser uma proposta de governo".

Ele disse que o então secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, ficou "insustentável" no cargo depois de defender a criação de uma nova CPMF e que quem o exonerou foi o ministro da Economia, Paulo Guedes. Cintra foi demitido na semana passada.

Bolsonaro afirmou ainda esperar um "impacto muito rápido" na economia com os saques de R$ 500 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que começaram no fim de semana. Segundo o presidente, a situação econômica não está ainda nos níveis que ele esperava.