Publicado em

Criptomoeda do Facebook será a porta de entrada para 2,6 bilhões de pessoas ingressarem no mundo do dinheiro digital, sendo 130 milhões de brasileiros usuários da principal rede social global.

Para o diretor da Bomesp (Bolsa de Moedas Virtuais Empresariais de São Paulo) Fernando Barrueco a criação da Libra, criptomoeda do Facebook anunciada oficialmente na última semana, vai acelerar a disrupção da economia, fortalecendo o elo de confiança entre empresas e seus consumidores.

“É um avanço gigantesco para uma economia distributiva no cenário atual. Afinal, em um curto espaço de tempo este novo criptoativo será a porta de entrada para 2,6 bilhões de pessoas no mundo -- e cerca de 130 milhões de brasileiros -- ingressarem imediatamente no mundo do dinheiro digital”, diz Barrueco.

Segundo ele, ao oferecer um meio de pagamento inclusivo, que incorpora os desbancarizados e elimina intermediários para operações financeiras, sem oscilações bruscas em seu sistema, a iniciativa do Facebook vai encorajar outras empresas a investirem também em suas próprias criptomoedas. “Teremos aí um mainstream, um movimento que vai ecoar em todas as demais companhias, que, mais dia ou menos dia, irão se abrir para projetos semelhantes”, afirma Barrueco. “A partir de agora, as empresas como um todo tendem a descobrir as vantagens de se relacionar com seus públicos sem intermediários.”

“A entrada de uma stablecoin, baseada na cadeia econômica de produtos e serviços, é o que defendemos desde o início das operações da Bomesp”, diz ele, referindo-se ao lançamento da Bolsa de Moedas Virtuais Empresariais do Estado de São Paulo no mercado global, em 2017, com o lançamento da Niobiun Coin (NBC). “Nós sempre dissemos que o desenvolvimento de uma economia distributiva não viria com a ascensão do bitcoin, mas com as stablecoins, atrelada a uma moeda estável, portanto não sujeita a volatilidade, agilizando assim pagamentos e trocas”, reforça.

“Como consequência, vamos ver mesmo empresas bastante conservadoras passando a entender o blockchain como uma tecnologia segura”, comemora o especialista, que participou do Marco Civil da Internet no Brasil.

Empoderamento do usuário

O especialista acrescenta que um dos impactos mais importantes, a seu ver, é o empoderamento das pessoas. “Isso ocorre porque, com a entrada das empresas no Blockchain, ocorre a retirada de intermediários, que encarecem todo o sistema financeiro global. Ao passo que, quando as pessoas assumem o protagonismo frente a seus próprios recursos, com a democratização das formas de pagamento e de troca, elas passam a ter acesso a esse mundo financeiro de forma mais facilitada. Enfim, todos ganham”, avalia ele.