Publicado em

BRASÍLIA - Três consórcios entregaram suas propostas ontem para participar da licitação da primeira parceria público-privada (PPP) do Governo Federal. Com o edital na rua há mais de um mês, o governo deu início ontem à licitação para a construção do data center do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. "O número de empresas está dentro das nossas expectativas. Calculamos um máximo de cinco consórcios, devido à complexidade do projeto", afirmou o coordenador do projeto do data center no Banco do Brasil, Jesualdo Conceição da Silva. Até amanhã, o Banco do Brasil, junto com a CEF, publicarão no Diário Oficial da União (DOU) o resultado da análise das habilitações das empresas. A estimativa do BB é que no próximo dia 12 de junho as empresas autorizadas a participar da licitação sejam convocadas para o pregão. "Acreditamos que será possível começar as obras em cerca de 90 a 100 dias", enfatizou Conceição da Silva.

O primeiro consórcio a entregar proposta foi o Datacenter Cidade Digital 2007, formado pela Brasil Telecom e pela Funcef. O segundo consórcio foi o Carioca-Acciona-WTorre, formado pela empresa Carioca Christiani-Nielsen Engenharia SA, pela Acciona do Brasil Ltda. e WTorres S.A.; o terceiro consórcio foi o União Digital, formado pela Delta Construtora S.A. e pela Termoeste Construção e Instalação S.A. Serão classificadas as empresas que fizerem ofertas no valor de até 20% da menor proposta, tendo o mínimo de três classificadas.

"Teremos o privilégio de ser a primeira PPP federal. Claro que uma PPP administrativa, como a nossa, é bem mais fácil de lançar do que um projeto de infra-estrutura, que demanda cálculo de contrapartida e retorno em pedágio, mas também temos mais experiência na elaboração de projetos com a iniciativa privada", comentou Silva. A idéia do data center é de centralizar a operações das duas instituições financeiras. O modelo da PPP conjunta seria baseado na seleção de um parceiro de negócios que ficaria responsável pela construção e manutenção da estrutura física e tecnológica do data center. A idéia é que as instituições paguem mensalmente pelos serviços por 25 anos, num aporte que totalizaria cerca de R$ 1,2 bilhão.

O data center terá 25 mil metros quadrados de área construída em Brasília e abrigará cerca de R$ 2 bilhões em ativos de tecnologia da informação (TI), entre novos e antigos do BB, além de outros R$ 600 milhões da Caixa. Funcionará como redundância para a atual infra-estrutura do banco.

Três consórcios entregaram suas propostas ontem para participar da licitação da primeira parceria público-privada (PPP) do Governo Federal. Com o edital na rua há mais de um mês, o governo deu início ontem à licitação para a construção do data center do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. "O número de empresas está dentro das nossas expectativas. Calculamos um máximo de cinco consórcios, devido à complexidade do projeto", afirmou o coordenador do projeto do data center no Banco do Brasil, Jesualdo Conceição da Silva. Até amanhã, o Banco do Brasil, junto com a CEF, publicarão no Diário Oficial da União (DOU) o resultado da análise das habilitações das empresas. A estimativa do BB é de que no próximo dia 12 de junho as empresas autorizadas a participar da licitação sejam convocadas para o pregão. "Acreditamos que será possível começar as obras em cerca de 90 a 100 dias", enfatizou Silva.

O primeiro consórcio a entregar proposta foi o Datacenter Cidade Digital 2007, formado pela Brasil Telecom e pela Funcef. O segundo consórcio foi o Carioca-Acciona-WTorre, formado pela empresa Carioca Christiani-Nielsen Engenharia S.A., pela Acciona do Brasil Ltda. e por WTorres S.A.; o terceiro consórcio foi o União Digital, formado pela Delta Construtora S.A. e pela Termoeste Construção e Instalação S.A.