Publicado em

Uma plataforma para conectar professores e alunos de idiomas de forma prática, capaz de encontrar o profissional certo para cada necessidade e de viabilizar aulas de maneira quase imediata. Esta é a proposta da WannaClass, startup mineira criada pela engenheira Maria Tereza Ferraz Fartes.

O aplicativo permite ao usuário escolher um professor entre os vários pré-selecionados pela WannaClass e localizar o mais adequado em cada ocasião, com base em critérios como currículo, disponibilidade de horário imediato ou agendado, proximidade geográfica (em caso de aula presencial) e outros, além do idioma. 

Tereza atuava como executiva em uma consultoria norte-americana no Rio de Janeiro e fazia muitas reuniões por meio de videoconferência. O contato diário com profissionais de outros países fez a engenheira pensar em uma ferramenta que facilitasse a vida daqueles que, como ela, precisavam aprender algo de várias partes do mundo em pouco tempo.

“Como trabalhava na área internacional, sempre havia uma novidade e um local diferente para conferenciar”, conta. A multinacional exigia fluência em inglês e espanhol dos colaboradores. Um deles, Diego Gusman Miranda, seu antigo chefe, apostou na solução e acabou se tornando sócio e COO da WannaClass. 

“Naquele momento, pensamos em algo que democratizasse a educação de línguas, com flexibilidade de tempo e de orçamento. Como não há mensalidades, matrículas ou materiais obrigatórios, o ensino se torna mais acessível”, afirma a empreendedora e CEO da startup.

Após um ano de investimentos próprios, estudos e desenvolvimento, o aplicativo passou a operar em maio de 2018. 

Seleção

Dos 400 profissionais que se candidataram para a plataforma, 40 foram eleitos, em oito opções: inglês, espanhol, francês, italiano, português (para estrangeiros e reforço), hebraico, latim e grego. A ideia é incluir, no curto prazo, idiomas como alemão, japonês e mandarim, além de Libras (língua brasileira de sinais).

Tereza diz que os professores são escolhidos em um processo rigoroso, que inclui exigência de certificados, cursos, formação no idioma e, por fim, treinamento e entrevista. Uma vez aceito, o profissional se integra ao aplicativo, que o direciona aos alunos que buscarem um professor com características compatíveis com seu perfil.

Match

O estudante informa no aplicativo o idioma que deseja aprender e seu foco (linguagem técnica, vocabulário, uso cotidiano, leitura etc.), nível de conhecimento (básico, intermediário ou avançado) e o tipo de professor (nativo ou brasileiro). A ferramenta processa as informações e busca os docentes mais adequados com base nos critérios informados. 

Caso o aluno e o professor estejam online, a aula pode ser realizada na hora, via Skype ou até pessoalmente, se ambos estiverem próximos. Caso contrário, pelo chat da plataforma é possível agendar a aula para outro momento. 

A duração de cada sessão é de uma hora, com preço mínimo de R$ 40. A startup fica com 25% do valor. “Priorizamos a valorização do professor, então pré-acordamos um valor líquido, assim ele saberá exatamente o quanto vai ganhar por cada aula descontando a taxa”, diz Tereza.

Finalizada a aula, o aluno pode classificar o docente com nota de zero a cinco estrelas e deixar comentários. Os dados ficam públicos para os demais usuários e ajudam a estabelecer um ranking dos profissionais. O professor também tem um campo para registrar a evolução do estudante e os pontos a serem melhorados.

O pagamento é feito por meio da plataforma. O professor vê no histórico do aplicativo a quantidade de aulas dadas e a soma a ser recebida. A quantia é liberada mediante a confirmação de que o serviço foi prestado, sendo debitada do cartão de crédito do aluno e repassada em até três dias úteis.

Evolução

Segundo Tereza, a divulgação da ferramenta não foi um problema. “Foi totalmente orgânica, pelos canais de comunicação como redes sociais, fóruns de professores de línguas e no nosso blog, que opera há mais tempo que o app", afirma. "Desafio mesmo foi estabelecer pré-requisitos e escolher pessoas qualificadas para trabalhar conosco.”

O aplicativo é uma evolução do projeto iniciado há cerca de um ano por Tereza. No ar desde julho de 2017, o blog citado pela empreendedora é integrado ao site da WannaClass e contém dicas culturais, informações sobre outros países e orientações para quem quer saber mais sobre um local, morar fora ou se planejar para uma viagem a passeio ou a trabalho.