Publicado em

A JetBov, agritech de gestão de gado de corte criada há quatro anos, atraiu no início de 2018 um aporte de R$ 3 milhões e planeja dobrar neste ano o número de clientes, atualmente em cerca de 500 propriedades.

Com a capitalização, efetuada em fevereiro pela gestora de venture capital (capital de risco) SP Ventures, a startup de Joinville (SC) espera expandir sua influência para todo o interior de São Paulo e para a região Centro-Oeste do País, polos centrais da agropecuária brasileira, diz o fundador e atual CEO da JetBov, Xisto Alves de Souza Júnior. Ele afirma que a empresa registrou um crescimento de 25% em 2017.

“A aceitação tem sido excelente. Praticamente 1 a cada 3 potenciais clientes fecham contrato conosco após conhecer todo nosso conteúdo e benefícios. A proposta é darmos uma visão empresarial da fazenda para que o fazendeiro tome as melhores decisões”, diz.

A plataforma móvel de suporte ao pecuarista combina imagens geradas por satélites e informações obtidas por meio de dispositivos como chips, coleiras, balanças e sensores para oferecer um raio-X completo do rebanho. Assim, permite ao criador obter informações precisas e atuais sobre peso, condição física, dieta e desenvolvimento de cada animal. 

A aplicação cria um banco de análises de rotina dos animais, informando seu horário de alimentação e época de reprodução. Segundo a startup, o método garante uma análise ampla e precisa da situação dos animais, prospectando custos e ganhos com a criação, recriação, quarentenas, remessa para abate ou engorda dos bois. 

Os dados são atualizados e interpretados automaticamente e sem necessidade de conexão com a internet. Quando entra em área de cobertura 3G, o software envia os dados à web, onde as informações são processadas e disponibilizadas para o usuário em forma de projeções e relatórios. O proprietário pode unir planilhas, mapas e cadernos em um único espaço digital. 

Nas fazendas em que atua, a aplicação administra mais de 400 mil cabeças de gado. Segundo a startup, são mais de R$ 1 bilhão em ativos de fazendas gerenciados. Além da gestão do rebanho, pela plataforma também é possível negociar animais com outros proprietários. A JetBov diz já ter movimentado cerca de R$ 100 milhões em compra e venda de bois. 

O site tem demonstrações de uso para treinamento e adaptação ao sistema. “Damos ao produtor um período de 21 dias para testar todo o produto gratuitamente. Durante este tempo nós o ajudamos a avaliar a fundo como melhorar a sua gestão pecuária”, diz Xisto. 

Os planos de assinatura variam de acordo com o tamanho da fazenda, iniciando a partir de R$ 80 por mês para uma propriedade de pequeno porte (com até 200 animais).

A startup passou inicialmente por períodos de incubação e depois foi acelerada pelo Inovativa Brasil, programa do Ministério da Indústria e Comércio. Em 2016, recebeu seu primeiro primeiro aporte, da aceleradora de negócios ACE. Neste ano, além de atrair o aporte da SP Ventures, a JetBov foi selecionada para participar do Launchpad Accelerator São Paulo, programa de aceleração de negócios do Google. 

A startup de Joinville é uma das inúmeras agritechs brasileiras com foco em pecuária. Algumas, assim como a própria JetBov, são especializadas em gado de corte; outras, em leite. Uboi, Suplemento Certo, Bovinews, Ciclo da Suplementação Minerthal, Roda da Reprodução, Bovcontrol e 4milk são alguns exemplos.