Publicado em

Neste início de ano a Associação Brasileira de Startups (ABStartups) alcançou o número de dez mil startups mapeadas em sua base de dados, a Startup Base. No começo de 2017, esse mapeamento atingia sete mil iniciativas. Para o final deste ano, a meta é ter indicadores da quase totalidade de startups do País.  

Embora nem todos os empreendedores tenham colocado todas as informações, é possível observar uma maior concentração de companhias na região Sudeste e Sul. Além disso, a maior parte dessas empresas (46,2%) atua no modelo B2B, ou seja, tem outras clientes como clientes.

Sobre a idade das startups, 72% do total conta com três anos de atuação. A fase de desenvolvimento predominante é de tração, quando elas já possuem um produto e clientes, mas buscam ganhar escala. São 1.656 companhias nesse estágio.

No período mais inicial de sua existência, o de ideação, se encontram 959 empresas nascentes.

O mapeamento mostrou também as comunidades, ou seja, locais em que diversas startups compartilham como sede.

A região denominada San Pedro Valley, por exemplo, reúne 443 startups em Belo Horizonte. Já na chamada Cajuína Valley, em Teresina, se localizam 49 empresas nascentes.

Para este ano, a ABStartups tem como objetivo pegar dados de 15 mil startups, ou seja, praticamente a totalidade de empresas nascentes calculadas hoje no País.

Em parceria com o Google for Startups, a associação vai mapear 20 comunidades do Brasil, totalizando 6 mil startups. A ideia do projeto é promover um conjunto de atividades como, palestras e sessões de mentoria em cidades fora do eixo das grandes capitais.

Para ter acesso a todos os indicadores mapeados até agora, basta acessar o site do estudo me https://startupbase.abstartups.com.br .