Publicado em

Um problema comum em shows chamou a atenção do advogado e consultor Flávio Boabaid. Inconformado com longas filas diante de banheiros químicos nem sempre em boas condições de uso, ele desenvolveu uma espécie de envelope com material ultra-absorvente e biodegradável, envolto em plástico. Basta abrir o envelope, urinar dentro, fechar e descartar no lixo comum.

Batizado como Número 1, o produto pode ser usado até em espaços públicos, desde que em locais com um mínimo de privacidade, como um box ou área de recuo que evite a exposição. As propriedades de retenção de líquido são similares às das fraldas infantis, mas, diferente desses produtos, o material absorvente equivale a celulose ecológica, biodegradável. O revestimento de plástico evita o mau cheiro.

“Em várias viagens, festas ou em meios de transporte não havia banheiros e eu ficava pensando em como criar algo que fosse pequeno, discreto, prático e unissex para estes momentos de aperto”, conta Boabaid. São três tamanhos. O P absorve até 400 ml e é indicado para homens e crianças; o M, até 800 ml, para homens e mulheres de qualquer idade; e o G, até 1 litro, recomendado para mulheres por ter formato anatômico próprio para elas. O formato é de 20 cm x 10 cm.

O projeto tomou forma em 2009. O estalo veio diante de um pacote de fraldas. Ao imaginar como encaixar uma fralda em um saquinho pequeno, do tamanho dos utilizados para cachorro quente, estava formada a base para o Número 1.

Em 2016, depois de muitas pesquisas que levaram à escolha do material, a startup passou a vender o produto em seu site. Hoje o Número 1 já tem distribuição nacional, diz o empreendedor, que afirma já ter vendido 60 mil unidades em 2018. A empresa tem sede em Florianópolis, mas o e-commerce oferece delivery na Região Metropolitana de São Paulo, com taxa de entrega de R$ 11 e prazo de um dia útil. O kit com 6 peças custa R$ 23,90; com 18, R$ 66,90; com 36, R$ 132,90.

Além da venda online, o produto está em testes em hospitais, diz Boabaid. Em São Paulo, mil unidades foram direcionadas a instituições como Einstein, Sírio-Libanês e Beneficência Portuguesa, relata.

Após uma parceria com a empresa de materiais hospitalares Bio Florence, o projeto ganhou amplitude. A empresa agora coordena as vendas pelo Brasil, e, até o começo de 2019, a linha deverá chegar às farmácias e hospitais de Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Belo Horizonte, Salvador e Recife.

O empreendedor pretende criar uma cadeia de revendedores autorizados nessas capitais, consolidando uma rede credenciada. Para 2019, a meta é vender cerca de 100 mil peças por mês e atingir um faturamento próximo de R$ 1 milhão.

A empresa pesquisa agora um novo viés ecológico para o produto. “Estamos em estudos com o departamento de pesquisa do Exército e o de Botânica da UFSC para colocar sementes dentro do forro para adubar a terra. Com a reação da urina com a terra, uma planta poderá crescer”, afirma.

Novos formatos

Depois de ver o modelo dar certo, o empreendedor estuda outras versões. O site da empresa mostra um protótipo do que seria o número 2, ainda em testes. Lembra uma espécie de sacola, para ser utilizada sobre um suporte. Esse apoio se assemelha a uma cadeira com braços e com um buraco no meio do assento.

Outro formato é o de manta protetora, para absorver resíduos no chão. “Participamos de shows, competições esportivas e festas de grande porte com novos formatos. Aumentamos o tamanho dos pacotes e criamos os números 3 e 5, que são muito maiores e próprios para locais abertos, podendo substituir banheiros químicos ou mictórios de plástico. O resultado é a redução de filas para usar o banheiro em lugares lotados”, afirma.

De acordo com Boabaid, produtores rurais e veterinários se interessaram em usar a novidade em áreas de criação de animais. “O mercado é amplo para o nosso diferencial. Ele é interessante para quem lida com pecuária, veterinária ou zootecnia porque cobre grandes áreas e suporta de três a quatro dias até ser trocado”, explica.