Publicado em

A Byke Station, startup paranaense especializada em ciclismo, lançou três pontos de vending machines (máquinas automáticas de autosserviço) na capital paulista, voltados aos cuidados para bicicletas.

Fundada em Curitiba no fim de 2016, a empresa foi idealizada, projetada e executada por amantes do ciclismo. Todos os sócios-fundadores (Eduardo Córdova, Paulo de Carvalho e os irmãos Leandro e Sandro Wuicik) são esportistas amadores e utilizavam bikes para se deslocarem ao trabalho na capital do Paraná.

Ao notar que a cidade tinha vários grupos de bikers carentes de um local para fazer ajustes ou comprar equipamentos fora do varejo especializado, os empreendedores começaram a pesquisar soluções.

“Vimos que as lojas especializadas ficam abertas apenas em horário comercial e, aos finais de semana, fecham, deixando o biker sem uma opção prática e viável para cuidar da sua bicicleta”, diz Sandro Wuicik, CEO da empresa.

Mirando-se em exemplos de países como a Austrália, onde já existem máquinas voltadas ao ciclismo, o quarteto moldou o projeto para preencher essa lacuna no Brasil. A iniciativa visou a atender quase todas as necessidades do ciclista, funcionando 24 horas por dia. 

Os postos de venda priorizam as rotas dos bikers, independente de estarem ao ar livre ou em estabelecimentos comerciais. Em São Paulo, por exemplo, as máquinas estão em um posto de gasolina, uma garagem de um edifício comercial e em uma praça de food truck.

A máquina oferece 25 produtos que vão desde pequenas peças de reposição a capas de chuva, isotônicos e suplementos nutricionais. Segundo Wuicik, todos vêm com preços semelhantes aos de fábrica. “Como compramos os materiais de distribuidoras a preço de fábrica e por atacado e não temos despesas com funcionário ou imóvel, conseguimos colocá-los à venda com uma margem de custo pequena ao consumidor”, afirma. 

Além dos itens à venda, a companhia passou a oferecer pontos de apoio às bikes, onde se encontram estacionamento, bombas para calibragem de pneus e ferramentas (presas a correntes) para ajustes de marchas, guidões, pedais etc.

A procura pelo serviço e os elogios dos usuários nas redes sociais levaram a um crescimento rápido e orgânico, diz o CEO. Se em 2017 o faturamento fechou em R$ 200 mil, para 2018 deverá romper a casa do milhão, esperam os fundadores.

Com oito unidades em Curitiba, três em São Paulo e uma em Balneário Camboriú (SC), a startup recebeu propostas para fornecer máquinas para países como Portugal, Angola e Colômbia, diz Wuicik. Para suprir essa demanda, os sócios planejam começar a trabalhar com franqueados até o início de maio, além de prospectar convênios com grandes redes de serviços, como Pão de Açúcar e Ipiranga. Até o momento, contudo, a proposta está em fase final de prospecção.

Uma das eleitas no último processo de aceleração da Oxigênio (braço de aceleração de negócios da Porto Seguro), a empresa recebeu aporte financeiro de R$ 150 mil da seguradora. A expectativa para 2018, com o aumento das receitas e franquias, é estender a atuação da Byke Station para todo o Brasil.