Publicado em

A startup Jobecam desenvolveu uma metodologia que combina recursos de vídeo e inteligência artificial para tentar tornar mais rápidos e assertivos os processos de recrutamento e seleção. A startup usa algoritmos para analisar o perfil dos profissionais e assim identifica os mais adequados para cada vaga. Quase tudo acontece a distância, o que pode encurtar prazos e gastos.

De um lado, a empresa indica as características que busca e as perguntas a serem feitas. O empresário aponta palavras-chaves e termos técnicos, assim como o domínio de idiomas ou capital cultural que espera do profissional. A Jobecam grava a entrevista com base nesse roteiro e submete as perguntas apenas aos profissionais com perfil pertinente.

Na outra ponta, o profissional interessado em novas oportunidades faz seu cadastro na plataforma e grava um vídeo-currículo. É isso que permite à startup localizar candidatos compatíveis com uma vaga e submetê-los à entrevista, também em vídeo. A análise das respostas filtra os mais adequados. A Jobecam faz um relatório com base na quantidade de vezes que a pessoa respondeu da maneira desejada, classificando seu desempenho em um ranking.

“Nosso método é prático para todos. Eliminamos três das quatro vezes que o candidato precise ir a entrevistas presenciais. Ele só irá ao local se estiver em fase final de seleção, com chances de contratação muito altas. Isso diminui custos de transporte e logística”, explica a fundadora e CEO, Camila Yochabell.

Criada em 2016, em São Paulo, a Jobecam passou por uma aceleração de negócios da gigante de softwares Oracle e recebeu um aporte de valor não revelado da consultoria de RH People+Strategy. A startup reúne hoje 16 mil usuários e 125 empresas. Em 2018, as norte-americanas XRT e Concentrix passaram a usar o sistema, sendo as primeiras multinacionais a fazê-lo. A meta para este ano é aperfeiçoar a interação online com o lançamento de um aplicativo para celular, diz Camila.

Para o candidato, o cadastro é grátis. Para as empresas, o serviço tem planos de adesão adaptados a grandes e médias. A maioria vem das áreas de varejo, tecnologia e recrutamento. O valor mensal é orçado proporcionalmente à demanda por entrevistas.

Contexto

A ideia do negócio surgiu durante uma viagem de estudos. “Como trabalho com gestão de RH, já havia identificado alguns buracos no segmento. Mas o real insight veio quando tive um processo seletivo para uma multinacional e estava estudando na Austrália. Assim, não consegui terminá-lo pela falta de comunicação direta. Ali pensei em criar algo que auxiliasse tanto empresa quanto candidato”, conta.

Para Camila, a atuação da Jobecam é complementar à das áreas de RH das empresas em geral e das consultorias especializadas em recrutamento e seleção. “Acho que há mercado para todo mundo. Não inutilizamos o RH com a tecnologia, estamos adequando essa área à inovação. As empresas seguirão complementando nosso serviço e vice-versa”, diz.

A empreendedora vê diferenças e semelhanças em relação a outras startups. “Qualquer site de emprego é um concorrente, pois trabalhamos com o mesmo ‘produto’. A diferença é que oferecemos uma conferência direta, uma entrevista à distância, com perguntas em tempo real. O contato entre as partes não fica engessado ou às escuras”, diz.