Publicado em

A fintech Usend começou a operar no Brasil neste mês e desenvolveu um aplicativo que oferece serviços de pagamentos internacionais e de envio de dinheiro para brasileiros no exterior.

No ano passado, o grupo foi responsável por 25% do volume total em dólares transmitidos dos Estados Unidos ao Brasil, transacionando cerca de US$ 282 milhões. De acordo com Fernando Fayzano, fundador e ceo da empresa, a decisão de investir em tecnologia avançada e criar a Usend veio de forma natural ao longo dos anos, por entender que o mercado de remessas iria “inevitavelmente” migrar para o digital, possibilitando mais autonomia e agilidade no envio de valores.

“Nosso maior desafio foi desenvolver uma tecnologia de fácil acesso para os clientes e que, ao mesmo tempo, garantisse que sua segurança. Criamos então um aplicativo que realiza a identificação dos usuários em poucos segundos e permite que ele faça uma remessa segura, evitando qualquer tipo de fraude”, explica Fayzano ao DCI.

O serviço é a evolução de uma versão anterior chamada “EnviouChegou”, que foi testada por três anos. O protótipo do aplicativo servia exclusivamente à comunidade brasileira no país norte-americano, para envio de remessas somente ao Brasil. Após o período de teste, um novo produto foi desenvolvido, com melhorias de usabilidade e segurança. “Criamos um aplicativo robusto e com tecnologia de última geração. Ao mesmo tempo, é super compacto e ocupa pouco espaço de memória nos dispositivos móveis”, comenta.

Além da transferência de valores, o aplicativo permite o pagamento à distância, inclusive de boletos, de contas básicas como água e luz, com o intuito de facilitar a vida das pessoas que moram no exterior, mas têm obrigações financeiras no Brasil.

Hoje, já são cerca de 33 mil cadastrados no aplicativo e US$ 21 milhões em transações realizadas pela Usend em um ano de atuação. O sistema está disponível em três línguas — inglês, português e espanhol. Os países que recebem o maior número de transações são Brasil, México e Guatemala.

“Nós atendemos desde imigrantes que vão para outros países para trabalhar, conseguem casa, juntam dinheiro e querem enviar para seus familiares, àqueles que já possuem um nível de vida melhor, estão no exterior há mais tempo e encaminham quantias para investimentos e até mesmo empresas que têm que pagar serviços no Brasil”, afirma.

Expansão

A Usend faz parte do grupo Pontual Money Transfer, estabelecido no mercado americano desde 2007. A entrada no mercado brasileiro está alinhada com os planos da fintech de expandir internacionalmente e possibilitar cada vez mais conexões para o fluxo financeiro ao redor do mundo.

Segundo Fernando Fayzano, com a crescente globalização e a facilidade de trabalho remoto, o serviço de remessas vai se tornando cada vez mais relevante. Com isso, a partir de 2019, serão 60 países habilitados a receber os pagamentos.

“Inicialmente, foi difícil competir no mercado de remessas internacionais, pois muitas empresas atuavam na ilegalidade e conseguiam oferecer cotações muito mais elevadas, realizando pagamentos pelo mercado paralelo de doleiros. Fizemos um trabalho em conjunto com os reguladores para garantir a prática correta entre as empresas e hoje somos uma referência em compliance no setor”, conclui.