Publicado em

A popularização das fintechs que operam de diversas formas no mercado brasileiro por meio de serviços financeiros, como empréstimos, seguros, investimentos e meios de pagamento, alerta-nos para diversas questões que podem nos ajudar a desmistificar este mercado.

A expansão das fintechs já está em ritmo acelerado, aumentando a concorrência do sistema financeiro. Consequentemente, os custos de empréstimos para clientes deste segmento já estão caindo e uma parcela maior da população está tendo acesso a uma gama de serviços financeiros pela internet.

É diante deste cenário que precisamos atuar fortemente desmistificando algumas formas de operações financeiras online, incluindo os empréstimos pessoais. O crédito pessoal é uma opção para quem necessita de dinheiro sem precisar comprovar o motivo. Indicado para os casos de quitação de dívidas do cartão de crédito, cheque especial, viagens ou reforma da casa, esta modalidade financeira atrai um número crescente de pessoas.

O fundamental é saber que as fintechs idôneas que operam no setor de empréstimos online realizam todo esse processo de forma gratuita, não solicitam, de forma alguma, uma taxa antecipada. Esta informação é importante para se evitar as fraudes.

Outra dúvida essencial é que há uma crescente rede de instituições financeiras parceiras que vêm realizando todo o processo de empréstimo de forma 100% online. Ou seja, não há necessidade do cliente se dirigir a nenhuma agência, da assinatura do contrato até o depósito na conta.

Muitos dos que solicitam empréstimos vão atrás de uma solução para quitar altas dívidas com cartões de crédito e cheques especiais, uma vez que as taxas dos juros dos empréstimos pessoais chegam a metade ou até um terço, ao mês, frente a taxas de cartões e cheques.

Porém, uma modalidade que vem ganhando espaço são as solicitações de empréstimos com a garantia de imóveis, os chamados home equity, onde as taxas de juros são bem mais atrativas, e variam de 1,14% até 2,3% ao mês. Observamos que os perfis desses consumidores são de empreendedores interessados em investir em seu próprio negócio, um setor, que diante de um sinal de estabilidade de nossa economia, tende a voltar a crescer.

Cadu Guidi é diretor de marketing da Finanzero

cadu.guidi@finanzero.com.br