Publicado em

O dólar operava em alta ante o real, num ajuste ao forte movimento de aversão ao risco registrado no exterior na véspera, embora a tentativa de melhora externa nesta sessão contenha o movimento.

Às 10:14, o dólar subia 0,70 por cento, a 3,7908 reais, depois de terminar a segunda-feira em alta de 0,66 por cento, a 3,7645 reais. O dólar futuro tinha valorização de cerca 0,8 por cento.

"As tensões se elevam com a recente realização de lucros, principalmente de empresas de tecnologia americanas e com a forte derrocada do petróleo", disse a gestora Infinity em relatório ao explicar o movimento da véspera, que teve contribuição ainda da "contínua pressão nos juros americanos, com o ciclo ainda não terminado de aperto monetário".

"A contração econômica, principalmente com a falta de resolução da guerra comercial deixa um contínuo temor de piora à vista", emendou.

Na terça-feira, Dia da Consciência Negra em algumas cidades brasileiras, com os mercados domésticos fechados, as bolsas norte-americanas terminaram com fortes quedas, pressionadas pelo setor de tecnologia, preocupações com o crescimento global e a guerra comercial Estados Unidos e China.

Nesta quarta, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu suas previsões de crescimento global por causa justamente das tensões comerciais e taxas de juros mais altas.

Agora, projetou que o crescimento global vai desacelerar de 3,7 por cento este ano para 3,5 por cento em 2019 e 2020. Anteriormente, a expectativa era de um crescimento de 3,7 por cento para 2019.

A desaceleração do crescimento global será pior em países não-membros da OCDE, com muitas economias de mercados emergentes provavelmente registrando saídas de capital à medida que o banco central dos EUA aumente gradualmente a taxa de juros. A OCDE reduziu suas perspectivas para países em risco, como Brasil, Rússia, Turquia e África do Sul.

Ainda na terça-feira, o tombo de 6 por cento do preço do petróleo pesou nas ações do setor de energia, embora, nesta quarta-feira, a commodity já esboce recuperação.

O dólar caía ante a cesta de moedas e ainda sobre divisas de países emergentes, como o peso chileno e o rublo.

Internamente, os investidores também repercutem nesta sessão as últimas indicações da equipe do novo governo. Na véspera, foi indicado o deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) para o Ministério da Saúde.

"O DEM tem se tornado uma peça-chave ao novo governo na sua formação", destacou a gestora Infinity ao ponderar, entretanto, que "a equipe econômica continua pautada pela tecnicidade...e continua a agradar ao mercado".

"Tais escolhas são muito importantes, pois a perspectiva de crescimento global mais modesto para os próximos anos se choca com a tentativa de recuperação da economia brasileira, daí a necessidade de bons nomes", concluiu.

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou a criação de uma Secretaria de Privatizações, com o objetivo de acelerar a venda de ativos brasileiros e melhorar a saúde fiscal do país.

Nesta manhã, o futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, informou que o novo governo pretende não só reduzir o número de ministérios, como também as estruturas das pastas.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 13,6 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de dezembro, no total de 12,217 bilhões de dólares.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.