Publicado em

São Paulo - O seguro de vida não é apenas para morte, ele também ajuda a cuidar da saúde. O aumento da incidência de câncer em idade menos avançada, a maior expectativa de vida e a ampliação da classe média estão mudando o perfil do mercado segurador no Brasil.

É o que mostram os números da Prudential do Brasil Seguros de Vida S.A., subsidiária da norte-americana Prudential Financial, instalada aqui desde 1998 e que encerrou 2014 como a primeira seguradora independente no ranking de Planos Individuais de Seguros de Pessoas, com 17,4% de market share (participação no mercado), de acordo com dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep) de janeiro a dezembro de 2014, atrás apenas do Bradesco.

A empresa tem 25 agências e dois escritórios comerciais no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Distrito Federal.

De acordo com o balanço da companhia, a maioria dos sinistros ocorridos no ano passado foi relacionada à saúde dos segurados, representando cerca de 84% das indenizações no período.

Para o diretor regional em São Paulo da Prudential, Sidnei Calligaris (foto ao lado), outro dado relevante é o de que 83% dos sinistros ocorridos, na Prudential em 2014, foram com os segurados na idade entre 30 a 59 anos. A média ficou em 41 anos.

Embora a companhia possua uma carteira de clientes em sua maioria jovens - a faixa etária que vai de 21 a 40 anos representa hoje 58% dos segurados -, a crescente incidência de câncer e de doenças cardiovasculares estimula a procura pelos seguros com coberturas assessórias aos problemas de saúde.

No caso da Prudential, os produtos da seguradora voltados para a saúde são: a Cobertura Opcional Doenças Graves (DDR) nas opções Básica e Plus. A primeira cobre sete doenças e a segunda contempla treze, entre elas câncer, acidente vascular cerebral e infarto, além de procedimentos como cirurgia para troca de válvulas cardíacas, cirurgia da aorta e transplantes de órgãos.

Calligaris enfatiza que o diferencial deste tipo de produto é o fato de o segurado receber o benefício após diagnóstico da doença ou da realização do procedimento médico coberto, conforme previsto no produto. E a cobertura opcional renda hospitalar, voltada para a recuperação da saúde do segurado. "Com o ele, o cliente tem a proteção necessária em casos de internação hospitalar por acidente ou doença, com a garantia do pagamento de uma indenização diária, no valor e período contratado na apólice", explica.

Segunda idade

A maior preocupação com a saúde se encaixa em uma tendência mais ampla dos seguros no País, lembra o diretor regional da Prudential. "Não é mais na terceira idade, e sim na segunda idade que a proteção se torna mais importante, porque é nesta faixa etária que se encontram os fazedores de renda. No caso de morte de um fazedor de renda, o impacto nas famílias desprotegidas é muito maior", comenta Calligaris.

Por isso, a seguradora sediada no Rio de Janeiro oferece a possibilidade de acompanhar regularmente as condições de saúde do segurado, "tirando o risco da família". Também passaram a ser incluídos na precificação dos prêmios dos seguros os hobbies de risco.

Faturamento

A Prudential do Brasil Seguros de Vida S.A. registrou um aumento dos prêmios de seguros de 40%, em comparação ao ano de 2013, atingindo o montante de R$ 715 milhões, e apresentou um lucro líquido de mais de R$ 87 milhões, alta de 287% com relação ao ano imediatamente anterior.

A companhia continua elevando a sua base de segurados e encerrou o ano com mais de 231 mil apólices de seguro de vida individual, um aumento de 24%, em relação ao ano anterior. Como consequência, ainda em comparação a 2013, também cresceu 41,3% no capital segurado em vigor, ultrapassando R$ 106 bilhões.

Dando continuidade ao plano de expansão, a Prudential do Brasil abriu quatro novas agências em 2014. Três na região sul do país, duas delas em Curitiba e uma em Porto Alegre e mais uma no Rio de Janeiro, estado onde se localiza a sede da seguradora. A seguradora comercializa seus produtos por meio de 1.108 franqueados e empresas parceiras.

Mercado

Também de olho no aumento da expectativa de vida da população e buscando a otimização da saúde de seus segurados, a SulAmérica anunciou, na quinta-feira passada, uma joint venture com a empresa norte-americana Healthways para oferecer serviços de "gestão de saúde e bem-estar" aos seus clientes. O capital detido da parceria, com duração de 10 anos "sob bases comerciais repactuadas", ficará dividido em 49% para a SulAmérica e 51% com a Healthways.