Publicado em

SÃO PAULO - Presente nos Estados Unidos desde 1984, a modalidade de fundo de investimento Search Fund começa a se tornar uma nova opção no mercado brasileiro. Basicamente, é uma maneira de empreender por meio de aquisições de empresas. O novo modelo foi o tema central do debate Empreendedorismo por Aquisição, promovido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).



No evento, especialistas e agentes do setor financeiro explicaram como a nova modalidade de fundo de investimento funciona e como esta nova categoria, que está consolidada no exterior, pode ser adaptada para a realidade brasileira. O processo de criação desse tipo de fundo começa com a vontade de uma pessoa em realizar uma aquisição no mercado.



De acordo com o professor da FGV e mediador do evento, Newton Campos, os empreendedores, conhecidos como searchers, geralmente são jovens profissionais com experiência em gestoras de Venture Capital, Private Equity, consultorias ou já tiveram o próprio negócio.



Campos diz que, geralmente, o interesse de jovens ao redor do mundo por essa modalidade é despertado em cursos de pós-graduação no exterior, ou no próprio ambiente acadêmico de seu país. Decididos a atuar como searchers, esses interessados vão definir o tipo de empresa que será adquirida. Posteriormente, inicia-se a fase de captação de recursos com investidores. O empreendedor, por sua vez, apenas administra o capital arrecadado.



"A grande diferença deste modelo para os outros é que as pessoas que estão procurando a empresa a ser comprada recebem uma parte do investimento de forma antecipada", diz Campos. O acadêmico esclarece também que, por meio desta quantia, o empreendedor pode sobreviver e montar uma equipe para ajudá-lo na busca. O período de procura varia entre um ano e meio e dois anos.



O valor para aquisição da empresa normalmente flutua entre US$ 2 milhões e US$ 15 milhões. Segundo Campos, existem situações em que a compra visa 100% da companhia em questão. Mas há casos em que o empreendedor assume o controle adquirindo a maior fatia do negócio. Todo o montante do fundo - que será dissolvido -  é direcionado para a operação de aquisição da companhia, como se o searcher tivesse apenas uma 'bala de prata'.  



Após realizar a operação, o searcher assumirá o posto de principal executivo da empresa adquirida. Os investidores irão compor um conselho administrativo. Em seguida, serão implementadas medidas a fim de melhorar a eficiência do negócio. Na sequência, após ganhar corpo e melhorar os resultados, a companhia poderá ser revendida a terceiros.



Representante da Vox Capital, gestora de investimentos de impacto, Gabriela Chagas afirmou durante o evento que a composição dos Search Funds no Brasil é tanto de investidores estrangeiros quanto nacionais. Atualmente, há sete oficialmente em atividade no País.



"É muito importante ter a combinação entre investidores que conheçam o modelo de Search Funds internacionais e investidores locais" diz Gabriela. Ela explica que o know-how estrangeiro nesta modalidade é muito importante. Mas acredita ser essencial a presença de agentes brasileiros familiarizados com o mercado nacional.



Além disso, Gabriela também diz que um dos desafios frente a esta nova modalidade consiste na tentativa de expandir o conceito, uma vez que os Search Funds são pouco conhecidos no ecossistema. Atualmente, existem cerca de 640 no mundo. Entre os mais conhecidos, estão o Pacific Lake Partners, Ohana Capital, Relay Investments, Trilogy Search e RHV Capital.



Fundado em 2016, um dos Search Funds brasileiros é o 220 Capital, gerido por João Luís Lima e Rene Almeida. Este fundo de investimento mira empresas com faturamento anual entre R$ 30 milhões e R$ 100 milhões.



Realizando seu MBA em Madrid, Lima conta que começou a fase de captação de investimento ainda na capital espanhola, entrando em contato com investidores dos EUA, Europa, Brasil e África do Sul.



"É importante equilibrar seu time de investidores com fundos institucionais, aqueles que têm maior disposição de investimento de capital, e aqueles individuais, que têm expertise de algum setor específico", explica Lima.