Publicado em

Os grandes bancos brasileiros estão negociando com a Odebrecht uma recuperação extrajudicial do conglomerado. A informação foi dada nesta terça-feira pelo presidente-executivo do Bradesco, Octavio de Lazari.

“Estamos preparados para todos os cenários, mas estamos negociando a possibilidade de recuperação extrajudicial”, disse Lazari a jornalistas, após palestra no Ciab, evento anual de tecnologia do setor bancário. A afirmação indica alternativas que a holding dona da OEC, maior empreiteira do País, e da Braskem pode estar buscando junto com seus principais credores para evitar uma batalha na justiça que poderia ser a maior recuperação judicial da história no Brasil. Uma fonte familiarizada com a Odebrecht confirmou que a companhia está negociando a possibilidade de recuperação extrajudicial com os bancos. Com cerca de R$ 70 bilhões em dívidas, a Odebrecht tenta evitar ir pelo mesmo caminho de sua subsidiária do agronegócio, a Atvos, que no final de maio pediu recuperação judicial após uma investidora norte-americana, a Lone Star, ter conseguido na Justiça uma ordem de bloqueio do caixa da companhia.

Além da recuperação da Atvos, empresa cujo controle chegou a ser oferecida pela Odebrecht para os bancos como contrapartida a um pedido de repactuação de dívidas, outro revés recente nas conversas foi a desistência da europeia LyondellBasell, na semana passada, de comprar o controle da Braskem. Ativos da petroquímica também tinham sido oferecidos pela Odebrecht para negociar com credores.

A recuperação judicial, que protege empresas de terem dívidas executadas por credores e ser levada a uma falência, também é um caminho que os bancos procuram evitar, uma vez que isso coloca os credores numa fila para receber seus empréstimos de volta, junto com funcionários, governo, fornecedores, entre outros.

A operadora de telecomunicações Oi protagonizou em 2016 o maior pedido de recuperação judicial do País, com dívidas de R$ 65 bilhões. Em seu plano de recuperação, a empresa propôs corte de até 70% no valor que devia. Desde que foi atingida pela combinação de recessão com a Lava Jato, onde foi um dos principais alvos, a Odebrecht viu receitas minguarem e as dívidas acumularem.

Desde então, os bancos começaram a gradualmente provisionar recursos para possíveis perdas com calotes da companhia, enquanto negociavam maiores garantias como condição para alongar vencimentos. Segundo executivos de bancos, em pelo menos dois deles os créditos contra a Odebrecht já são tratadas como recuperação de dívida.

Embora a nomenclatura seja parecida, a recuperação extrajudicial tem um andamento totalmente distinto, com credores e tomador em geral acertando um alongamento de prazo para pagamento das dívidas, mas sem um desconto. Foi a solução para a Ocyan, ex-Odebrecht Óleo e Gás, cuja situação era mais agudas devido à crise da Petrobras.