Publicado em

A Moody’s avaliou que o cancelamento da venda da participação de 38% da Odebrecht na petroquímica Braskem para a europeia é LyondellBasell Industries eleva a chance de pedido de recuperação judicial pelo grupo brasileiro e pode afetar seus credores.

“Um cenário em que a Odebrecht pede falência seria negativo para os bancos com empréstimos para a Odebrecht e suas subsidiárias”, afirmou a agência de classificação de risco em relatório assinado pelo analista sênior Alexandre Albuquerque. Ele escreveu que a rescisão do negócio aumenta a probabilidade de que a Odebrecht ajude a pedir recuperação judicial, já que a venda da participação da Braskem teria permitido a Odebrecht transferir parte dos recursos da venda para suas subsidiárias.

Entre os bancos potencialmente afetados, estão as maiores instituições financeiras do país, destacou o analista, citando Banco do Brasil (BB), Caixa Econômica Federal, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Bradesco, Itaú Unibanco e Santander Brasil.

Nesta semana, o presidente-executivo do BB, Rubem Novaes, afirmou que um eventual pedido de recuperação judicial do grupo Odebrecht preocupa o setor bancário, mas afirmou que as instituições estão bem provisionadas. Segundo ele, a exposição do BB à Odebrecht é de cerca de R$ 9 bilhões.

“Assumindo que a Odebrecht entrará em uma reestruturação judicial, os credores provavelmente enfrentariam um longo processo litigioso para recuperar parte de seus empréstimos”, diz Albuquerque, acrescentando que, de acordo com estimativas do mercado, o endividamento bancário combinado do conglomerado é de cerca de R$ 40 bilhões.

De acordo com a análise da Moody’s, o processo de falência pode interromper ou desacelerar a geração de receita e prejudicar a capacidade da Odebrecht de pagar seus empréstimos em aberto.

Justiça

O governo de Alagoas anunciou na sexta-feira que a procuradoria estadual abriu ação para evitar que a petroquímica Braskem seja vendida sem a unidade da companhia no Estado, que é alvo de acusações de ser responsável por crateras e rachaduras que comprometeram construções em três bairros da capital Maceió. A Procuradoria de Alagoas “quer assegurar o ressarcimento integral dos danos ambientais”.