Publicado em

Com foco em atendimento multicanal e se aproximando dos consumidores nos mundos online e offline, as varejistas Magazine Luiza e Renner figuram este ano como as marcas do comércio com maior valor de mercado.

Os dados fazem parte do ranking BrandZ – As Marcas Mais Valiosas do Brasil, realizado pela Kantar e WPP e aponta que, entre 2018 e 2019, o Magazine cresceu 246% em valor de mercado, passando de R$ 609 milhões para os atuais R$ 2,2 bilhões. A varejista foi a melhor colocada entre as empresas do comércio e, segundo o diretor executivo da Kantar Brasil, Eduardo Tomiya, reflete diretamente como a rede se posiciona junto aos clientes. “A estratégia Omnichannel, combinando vendas pela internet e pontos físicos, além da Lu, personagem da marca alimentado por inteligência artificial, foram pontos fundamentais no crescimento acelerado do Magazine Luiza no ranking das marcas mais valiosas”, diz.

Com o resultado, a varejista ficou em 7º entre as marcas mais valiosas de todas as atividades da economia. Também bem colocada, a Renner figura em 9º lugar na lista, com o valor de mercado passando de R$ 820 milhões para R$ 1,9 bilhão na passagem de 2018 para 2019. “No caso da Renner, o investimento em atendimento além do trabalho na experiência do consumidor, com novas lojas e uma disposição diferente dos produtos, ajudou nesse aumento expressivo no seu valor de marca”, diz.

Com esses resultados puxando o desempenho geral do varejo, o indicador aponta que, em 2019, a soma do valor das marcas do setor varejo representam 13% do total do ranking. Também foram destaques a rede Ipiranga (15º), Lojas Americanas (16º) (veja mais informações no gráfico).

Nem tudo são flores

Mesmo com incremento no valor de marca geral do varejo, algumas redes apresentaram resultado negativo de um ano para outro. Exemplo foi o Pão de Açúcar, que viu seu valor de mercado cair 41%, passando de R$ 768 milhões em 2018 para R$ 452 milhões este ano. Também apresentaram declínio este ano o Iguatemi (-36%) e o Extra (-30%).

Para o CEO Global da Kantar, Eric Salama, a avaliação do consumidor reflete a capacidade da empresa de se mostrar inovadora. “As marcas que são percebidas como inovadoras crescem sete vezes mais do que as que não são. Nesse caso, o importante não é ter muitos dados, mas saber usar os que já temos para gerar crescimento nas marcas”, afirma o executivo. Ele elogiou ainda o posicionamento de boa parte das marcas brasileiras, mas citou que ainda falta mais poder de inovação.