Publicado em

Antes com operação voltada sobretudo para os frequentadores de academias de ginástica, as lojas de suplementos alimentares apostam agora na diversificação do portfólio de produtos para atender públicos com os mais variados objetivos dentro do campo das atividades físicas e esportivas.

“No geral, as lojas de suplemento não davam muito foco para outros segmentos de produtos. Percebemos também que nossas lojas atendiam em maior parte homens, jovens e praticantes de academia. Com isso, entendemos que havia a necessidade de abranger nossa atuação para além da suplementação esportiva”, argumentou ao DCI o CEO da rede de suplementos SNC, Breno Cesar.

De acordo com o executivo, a guinada estratégica – que começou no início do ano passado – deve promover maior participação das categorias de produtos ligados a nutrição. “Atualmente, a participação desses produtos [de nutrição] está em 16%. Porém, essa linha vem ganhando share dentro do portfólio e demonstra maior ganho de margem. Nos próximos 12 meses, podemos projetar uma participação de 20%”, afirmou o executivo.

Ainda segundo ele, esse novo posicionamento do negócio viabilizará outro plano estratégico da rede: o desenvolvimento de linhas exclusivas de suplementos e produtos de nutrição alimentar. “A partir disso, identificamos uma oportunidade para aumentar nossa margem por meio do investimento de linhas próprias. Criamos duas voltadas para desempenho esportivo, uma para saúde e bem-estar, e outra mais para nutrição focada na beleza. Antes, essas linhas exclusivas representavam 7%. Atualmente, estão com participação de 20% nas vendas totais”, afirmou o executivo.

Além disso, Cesar conta que houve uma reformulação também na comunicação visual da loja, que era voltada exclusivamente para os frequentadores ferrenhos de academias. “A identidade visual do negócio era hostil para os outros públicos. Por isso, decidimos também criar uma marca para o público feminino e também outras faixas de idade”, complementou ele, destacando que existe a abertura de 25 unidades do negócio até 2022.

Na avaliação do fundador da consultoria empresarial Goakira, José Carlos Fugice, atualmente, as academias que mantêm o foco apenas nos frequentadores assíduos estão fadadas a obter uma rentabilidade reduzida. “O mercado norte-americano é um exemplo desse atendimento ampliado. Basta observarmos que a maioria dos frequentadores de academias buscam mais melhora na qualidade de vida do que desempenho em modalidades como fisiculturismo”, declarou o especialista.

Na mesma linha do CEO da rede SNC, Fugice mencionou que a maioria das redes de suplementos tem uma comunicação visual e de marketing que tende a “inibir” o comparecimento de consumidores fora desse padrão.

Outro exemplo de rede varejista atenta às mudanças no hábito de consumo dos clientes é a rede de suplementos alimentares e equipamentos esportivos Dr. Shape. “Em todas as nossas lojas, ajustamos o portfólio de produtos conforme a demanda local, com produtos que vão desde a linha infantil até as modalidades mais profissionais”, afirmou o sócio-diretor da rede, Roberto Kalaes

De acordo com o executivo, desde o início da operação – há 17 anos – houve a preocupação em complementar o mix de produtos nas gôndolas para atender todos os segmentos de clientes. “Analisamos o perfil de consumo dos clientes de cada região, juntamente com a equipe de marketing, para compor nosso portfólio com materiais nacionais e internacionais”, disse ele, destacando que, embora o tíquete médio varie de acordo com a localidade, o gasto tradicional dos clientes oscila entre R$ 130 e R$ 140.

Kalaes também conta que, atualmente, a rede conta com 70 unidades em operação. Nos próximos anos, a intenção é abrir mais 50 lojas no Brasil. Já no que diz respeito às expectativas de crescimento, o executivo explica que o avanço em vendas deve ser de 12% em 2019, especialmente com o lançamento de novas linhas de produtos próprios.