Publicado em

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou nesta segunda-feira (25) que irá investigar o vazamento ocorrido na madrugada de sábado na plataforma P-58, operada pela Petrobras no Espírito Santo.

“Os objetivos são apurar as causas do incidente e divulgar um alerta de segurança para a indústria, de forma a evitar a ocorrência de outros casos semelhantes. Desde que foi notificada pela Petrobras, ainda na madrugada do dia 23, a ANP vem acompanhando o caso, tendo estado presente na sala de crise da empresa durante o fim de semana”, informou a autarquia em comunicado.

Em comunicado ao mercado, a Petrobras informou que houve um rompimento do mangote (mangueira para offshore) da P-58, “durante operação de transferência de óleo para navio aliviador, causando vazamento com volume inicialmente estimado por sobrevoo em 188 m³”. A companhia destacou que “a plataforma está em condição segura” e que não há vítimas nem impactos às operações da embarcação em questão.

A Petrobras informou ainda que duas embarcações estão no local do ocorrido para contenção e recolhimento da mancha. “As simulações iniciais indicam que não há risco de a mancha chegar à costa.”

Ibama

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) também se pronunciou por meio de nota, informando que analistas realizaram uma vistoria na área do incidente em um helicóptero e avião “equipados com sensores para monitoramento da mancha de óleo”. Além disso, o órgão salientou que irá realizar o acompanhamento das ações de contenção e recolhimento do resíduo.

“Laudo técnico vai determinar a dimensão do dano ambiental e servirá de base para aplicação de sanções à Petrobras”, destacou o órgão.