Publicado em

O Grupo Gerdau arrematou ontem, por US$ 60,6 milhões, o controle acionário da Empresa Siderúrgica del Perú ( Siderperú ), com a compra de 50% do seu capital social mais uma ação. O arremate foi feito em leilão público na Bolsa de Valores de Lima por determinação da Agência de Promoção de Investimentos Privados do Peru (ProInversión). As ações pertenciam ao governo peruano, o qual estava conduzindo o processo de privatização da companhia. A Siderperú também possui uma dívida líquida de US$ 102 milhões.

A Siderperú é a maior siderúrgica do país, com vendas anuais de aproximadamente 360 mil toneladas de produtos acabados e conta com cerca de dois mil funcionários. Sua fábrica está localizada na cidade de Chimbote, ao norte de Lima, e conta com uma extensa linha de produtos nos segmentos de aços longos e aços planos. Aproximadamente 80% das suas vendas estão representadas por aços longos e os demais 20% por aços planos.

O negócio faz parte da estratégia de crescimento do Grupo Gerdau nas Américas. O Peru possui 27 milhões de habitantes e ainda importa cerca de 50% do aço consumido. Como vencedor do leilão, o Grupo Gerdau tem o compromisso de investir US$ 100 milhões na Siderperú nos próximos cinco anos. O plano de investimentos prevê a modernização da tecnologia dos processos de produção.

A compra do grupo peruano estende o "ciclo de aquisições" da Gerdau para a América do Sul. Este ano a empresa já havia adquirido três companhias na América do Norte, fazendo com que a produção nominal do grupo no exterior superasse o volume registrado em suas usinas brasileiras.

Investimentos no Brasil

A siderúrgica ainda anunciou ontem a superação da marca de 20 milhões de toneladas anuais de capacidade instalada e comunicou também o investimento de US$ 275 milhões, para instalação de um novo equipamento de lingotamento contínuo de placas, com produção nominal de 1,5 milhão de toneladas, volume que poderá, segundo a empresa, ser dobrado futuramente.

Com o investimento de US$ 1,5 bilhão na Gerdau Açominas, localizada em Ouro Branco (MG), o Grupo Gerdau passará a ter capacidade instalada anual de 20,5 milhões de toneladas de aço, contra os atuais 19 milhões de toneladas. O IISI aponta a Gerdau como a 14ª maior produtora de aço bruto do mundo.

A expansão da usina está voltada para atender o mercado internacional, destino de aproximadamente 70% da sua produção, a qual é utilizada principalmente na indústria naval e automobilística, em eletrodomésticos e em peças de forjaria. "A demanda mundial mantém-se aquecida principalmente pelo consumo da China e essa tendência deve continuar ao longo do ano", afirma o presidente do grupo, Jorge Gerdau Johannpeter. A produção global, no mês de maio, atingiu 104 milhões de toneladas, 9,3% mais que no mesmo período do ano anterior, segundo dados do International Iron and Steel Institute (IISI).

Os novos aportes de US$ 275 milhões incluem o lingotamento contínuo, a unidade de desgaificação a vácuo para aumentar a qualidade do aço, o conjunto de pontes rolantes e equipamentos auxiliares, assim como as obras civis e a montagem eletromecânica. Na primeira fase, o equipamento terá capacidade para produzir 1,5 milhão de toneladas por ano, as quais devem atender o mercado a partir do início de 2009.

No lingotamento contínuo de placas, já está prevista a estrutura básica para uma ampliação futura, quando poderá chegar a até três milhões de toneladas de aço por ano.

Atualmente, estão em andamento investimentos na coqueria 2, sinterização 2, alto-forno 2, aciaria, laminação primária e central termoelétrica. Cerca de 80% dos equipamentos encomendados já foram produzidos pelos fornecedores e 50% deles já chegaram à unidade. O principal investimento do programa é o alto-forno 2, equipamento que transforma matérias-primas como sinter, coque e minério de ferro granulado em ferro-gusa.

O Grupo Gerdau arrematou ontem, por US$ 60,6 milhões, o controle acionário da Empresa Siderúrgica del Perú ( Siderperú ), com a compra de 50% do seu capital social mais uma ação. No mesmo dia, a companhia anunciou um aporte de US$ 275 milhões em uma nova linha de lingotamento contínuo, que terá capacidade para produzir, anualmente, 1,5 milhão de toneladas de placas de aço. A linha, futuramente, segundo a companhia, poderá ter dobrada sua capacidade de produção nominal.

No Peru, o acordo firmado prevê que a siderúrgica gaúcha terá o compromisso de investir US$ 100 milhões na modernização dos processos produtivos da unidade. Além do valor pago na aquisição das ações da Siderperú, a Gerdau ainda assumirá uma dívida líquida da empresa estimada em US$ 102 milhões.