Publicado em

Apesar do déficit na balança comercial, a indústria química vê com bons olhos o direcionamento econômico do futuro governo de Jair Bolsonaro, que prevê maior abertura comercial, e espera que melhores condições de competitividade sejam criadas.

“Vários setores produtivos têm 35% de imposto de importação e a indústria química tem 7%. Já defendemos que se retire a alíquota dos produtos que não são produzidos na região do Mercosul. Somos contra acabar com a defesa comercial, o que é diferente de protecionismo”, declarou o presidente do conselho diretor da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Marcos De Marchi, em coletiva de imprensa na sexta-feira (07).

O dirigente entende que deve ser defendido apenas o que é produzido em larga escala no País. “Se abrir um elo de forma equivocada, há o risco de quebrar toda a cadeia. Esperamos que haja essa compreensão do próximo governo.” A entidade estima que o déficit da balança comercial irá alcançar US$ 29,1 bilhões em 2018, crescimento de US$ 5,6 bilhões em relação a 2017. “O número havia caído devido à recessão, agora voltou a crescer. Cerca de um quarto do faturamento do setor é proveniente de importações”, disse o vice-presidente do conselho diretor da Abiquim, Fernando Musa. Para De Marchi, metade desse déficit poderia ser coberto com produção local. “Atualmente, há entre 20% a 25% de capacidade ociosa. Se a economia reaquecer, pode haver um rápido efeito positivo no setor por meio dessa ocupação.”

Musa acredita que o governo irá implementar as medidas necessárias para ajustar o ambiente econômico do País. “É fundamental que se realize as reformas da previdência e tributária e que se cortem os nós que impedem avanços na infraestrutura e logística.”

O economista da equipe de transição do governo Bolsonaro, Carlos Alexandre da Costa, afirma que o foco será atacar o chamado custo Brasil. Ele ressaltou que a resolução dessas questões depende do setor privado. “É preciso reverter uma lógica dos últimos anos, em que empresas esperavam que o governo desse o primeiro passo. O que nós pretendemos fazer é um grande processo de limpeza daquilo que emperra o setor produtivo”, disse em evento. Costa expôs que as ações serão voltadas para destravar o setor produtivo e resolver problemas de infraestrutura. Ele também destacou a existência de um exagero de poder de monopólio de agentes do mercado, entre eles a Petrobras. “Temos planos ambiciosos para melhorar a competitividade”, ressalta.

A fala está em linha com a declaração de Marco De Marchi, de que “a indústria química não quer subsídios e nem proteção, quer menos custo Brasil.” O dirigente também fez menção para eliminar o monopólio de petróleo do País e citou que foram entregues 73 propostas para a equipe de transição. “Nenhuma delas precisa de subsídios ou geram gastos públicos”, garantiu.

Entre os pleitos, estava o alinhamento dos preços de matérias-primas ao mercado internacional. “Não podemos continuar sendo extorquidos por um monopólio.”

Costa revelou que houve um pedido para que a entidade desse prioridade para algumas propostas. “Não dá para fazer tudo. Dessas 73, vamos priorizar algumas por meio da discussões, para criar uma agenda que valorize quem produz e não crie proteções para compensar dificuldades.”

Balanço

A Abiquim estima que o faturamento de 2018 irá totalizar US$ 127,9 milhões, crescimento de 5,4% em relação a 2017. “Após passar pela pior recessão que já vivemos, o setor voltou a crescer. Mas esses números escondem um desafio. Retornamos ao patamar de 2010, tivemos quase uma década perdida”, afirmou Musa. Desse total, US$ 65,2 bilhões representam o segmento de produtos químicos de uso industrial, avanço de 5%.

Em relação a 2019, a entidade espera continuidade do crescimento. “A indústria química cresce com bastante elasticidade em relação ao PIB. O setor vai se adaptar aos níveis esperados”, disse De Marchi.

O dirigente não quis detalhar os possíveis efeitos da guerra comercial entre EUA e China. “Varia muito de produtos e setores. Mas não é hora de fazer movimentos irresponsáveis. Vamos ficar atentos.”