SÃO PAULO - Assim como o Uber conecta carros e motoristas disponíveis e pessoas que querem se locomover, a TruckPad faz conexão semelhante entre caminhoneiros e cargas. Entre outras startups que fazem esse matching, a Peerdustry surgiu com o intuito de fazer a ligação entre indústrias que precisam de algum equipamento e outras que estão com máquinas ociosas.



O fundador da empresa, Bruno Gellert, explica que seu público alvo são empresas que querem terceirizar ou reduzir o custo de compras, seja de máquinas ou de algum insumo para a produção.



A proposta é fazer com que empresas que precisam de um produto específico não tenham que comprar uma máquina, inviabilizando o negócio. Por outro lado, as companhias que estão com equipamentos parados podem oferecer suas instalações para fazer a produção.



"As empresas que têm máquinas ociosas se cadastram no site e marcamos uma visita pessoal para homologar", diz Gellert. Depois disso os equipamentos ficam disponíveis no site da Peerdustry. 



As empresas interessadas em uma máquina específica vão até o site e podem procurar diretamente numa barra de buscas, inclusive selecionando a cidade e a data da utilização. Nesse momento a Peerdustry identifica quem pode fornecer o equipamento e proporciona a combinação, ou match, entre elas.



Nesse modelo as indústrias nem entram em contato diretamente entre si. A companhia dona da máquina vai produzir a quantidade de produtos para seu "cliente", enquanto o pagamento é feito para a Peerdustry. A máquina em nenhum momento sai da fábrica.



O modelo de negócios da startup é ganhar uma margem nas negociações entre as empresas. De acordo com o fundador, a Peerdustry já manda o orçamento para a empresa que deseja utilizar a máquina com sua margem de lucro.



É a startup também que faz todo o acompanhamento e logística das peças produzidas. "Nós temos parceiros e retiramos o produto da companhia que produziu e entregamos para a empresa contratante", explica Gellert.



O fundador da Peerdustry diz que tem mais de 120 empresas cadastradas na sua plataforma, com mais de 500 máquinas disponíveis. Com pouco mais de um ano de operação, a startup está incubada no Sebrae e venceu o prêmio Hackathon da Fiesp em agosto de 2015. 



Leia também: Programa vai conectar indústria e startups com verba de R$ 10 mi para novatas