Publicado em

Um tribunal brasileiro decidiu nesta quarta-feira que o executivo Carlos Ghosn ou sua filha podem ter acesso a um apartamento no Rio de Janeiro para recuperar pertences pessoais, segundo decisão vista pela Reuters.

Ghosn e a montadora japonesa Nissan têm brigado pelo acesso ao apartamento de frente para o mar desde que o executivo foi preso no Japão, no mês passado, acusado de fraude financeira.

A Nissan afirma que o apartamento tem três cofres que podem conter evidências contra Ghosn que poderiam ser perdidas se pessoas próximas do executivo tiverem acesso ao apartamento.

A decisão permite que Ghosn e sua filha Caroline, que recentemente viajou ao Brasil, recuperem pertences como "roupas, fotos, livros, relógios, jóias, documentos" e outros objetos pessoais.

Na terça-feira, um tribunal em Tóquio rejeitou pedido de Ghosn para encerrar sua prisão.

Para recuperar os itens, representantes de Ghosn terão que ser acompanhados por dois oficiais de Justiça, segundo a decisão.

A Nissan não comentou de imediato o assunto no Brasil.

Um representante da família de Ghosn nos Estados Unidos não respondeu de imediato a pedido de comentário.

Leia também:

Renault pede que Nissan não contate seus membros do conselho, dizem fontes

Tribunal rejeita pedido para libertar Carlos Ghosn, ex-Nissan

Tribunal de Tóquio decide manter prisão de Carlos Ghosn por 10 dias, diz Kyodo

Nissan aprova demissão de Carlos Ghosn, vai criar comitê para busca de substituto

Promotores do Japão têm nova acusação contra Carlos Ghosn e prisão deve ser prolongada, diz jornal

Conselho da Nissan se reúne para encerrar duas décadas de liderança de Ghosn

Ghosn, chairman da Nissan, deve ser preso no Japão por suposta violações financeiras, diz jornal